O celular é meu treinador

Os aplicativos para monitorar a prática esportiva, apesar de algumas limitações, estão em forma

Faz tempo que sair para correr deixou de ser uma prática singela na qual o usuário apenas se preocupava com o ato em si, de correr, quando muito acompanhado por música e um cronômetro. Agora o smartphone ganhou espaço e são a cada vez mais os runners que utilizam seus perfis nas redes sociais para compartilhar (e, por que não, exibir) suas marcas pessoais através de aplicativos móveis uma vez concluído o exercício.

Por meio da localização GPS, estos apps monitoram a distância percorrida, sua duração, a velocidade média e as calorias queimadas, entre outros aspectos, além de indicar o trajeto em um mapa. Estabelece inclusive um calendário onde se registra a evolução do treinamento. Parece uma ferramenta ideal para os amantes do esporte, sejam corredores ou ciclistas, profissionais ou fãs. Mas é rigorosa?

Mais informações

"A informação sempre é boa se se sabe traduzir. A maior parte destas aplicações contribuem com dados objetivos sobre a corrida, determinados pelo GPS, mas estes devem ser interpretados com base nas condições de saúde e forma física da cada esportista", assinala Carlos de Teresa, médico membro da Junta de Governo da Federação Espanhola de Medicina do Esporte (FEMEDE). Um exemplo destas falhas dedutivas é a análise das calorias, uma das grandes obsessões dos corredores. "Às vezes o programa indica que gastamos muitas calorias, e pensamos que queimamos muita gordura. E nem sempre é assim, porque o uso da gordura ou da glicose para produzir a energia que precisamos depende da intensidade do esforço", explica.

A gordura, portanto, é eliminada quando se pratica esporte continuamente e de forma prolongada. Mas quando aceleramos ou subimos morros utilizamos mais a glicose. "Não se trata de gastar calorias durante o exercício, mas que este treine o metabolismo que queima gordura para que continue atuando durante o resto do dia, e nos produza outros benefícios para a saúde", esclarece De Teresa.

Entusiasmo com senso comum

Além das calorias, há outras limitações que esses apps possuem, como o controle da frequência cardíaca para medir a intensidade do exercício (é necessário usar fitas peitorais e poucos programas as têm), bem como outras variáveis de controle dessa intensidade e do esforço subjetivo de cada um. "Correr cinco quilômetros a 12 km/h pode ser um esforço insuficiente para um corredor de maratona, mas poderia provocar lesões musculares em uma pessoa com excesso de peso, e por isso estas variáveis devem ser usadas em função do nível de condição física e de saúde da cada pessoa", afirma o médico de FEMEDE.

Apesar desses empecilhos, o surgimento destas apps é muito positivo porque incita a busca pelo conhecimento sobre o estilo de vida saudável. “Que se fale sobre exercício, alimentação ou descanso incita as pessoas a aprenderem mais e a mudar seus próprios hábitos. Temos que aprender a nos gerenciar para melhorar a saúde através de um estilo de vida adequado”, insiste Carlos de Teresa, que acredita que seria bom que as aplicações dispusessem de provas físicas, que permitissem aos usuários individualizar seus treinamentos: "Dificilmente podem assimilar de outra maneira, não serve a mesma preparação para pessoas com diferentes aptidões".

Nada indica que esta febre atual vá acabar agora. "Entusiasmar-se é bom, mas sempre com senso comum", conclui o médico. Então prepare o celular, os tênis de corrida, faça um bom aquecimento e a correr. Ou, caso contrário, aceite que será apenas uma testemunha das recordes dos seus amigos na internet.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: