Sob forte comoção, o Brasil tenta digerir a morte de Eduardo Campos

Em plena corrida eleitoral, o país entra em espera com as atenções voltadas para Marina Silva

Eduardo Campos e Marina Silva em campanha.
Eduardo Campos e Marina Silva em campanha.Divulgação

As olheiras pronunciadas de Marina Silva ao falar da morte do companheiro de chapa, Eduardo Campos, nesta quarta-feira, não deixavam espaço para dúvidas. A tristeza é genuína para uma política que se notabilizou por trilhar seu próprio caminho, com uma história de vida tão sui generis como a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Analfabeta até os 16 anos, Marina, que nasceu em Breu Velho, no Seringal Bagaço, no Estado do Acre, no norte do país, superou a pobreza e trilhou uma carreira política que a fez ser vista como uma alternativa para o “Fla Flu” eleitoral entre PT e PSDB em 2010. Levou 20 milhões de votos, um resultado inesperado para qualquer analista político na ocasião.

A partir de agora, a ambientalista, que fundou o grupo político Rede Sustentabilidade, terá todas as atenções nacionais voltadas para ela, depois de optar por manter a discrição do cargo de vice ao lado de Campos. Foram dez meses de viagens pelo país, vendendo a aliança com o PSB, driblando as combinações que ela rejeitava, como a aliança com o PSDB para o Governo estadual em São Paulo, e sem ceder à tentação de deixar as divergências maiores que o acordo firmado com Campos. “Foram dez meses de intensa convivência, começamos a fiar juntos principalmente a esperança de um mundo melhor e mais justo. Eduardo estava empenhado com essas ideias até os últimos segundos de vida”, disse ela, num pronunciamento curto, ao lado de Carlos Siqueira, primeiro secretário do PSB.

Sabe-se, contudo, que Marina perdeu um companheiro de chapa, mas o PSB perdeu mais do que isso. Eduardo Campos era a maior esperança de uma projeção nacional do partido, que vinha avançando em número de deputados, governos e prefeitos eleitos a cada eleição. A legenda tem dez dias para definir quem vai encabeçar a chapa do partido, e tudo que se sabe é que há dois elementos fundamentais: a comoção com a morte do presidenciável, e a força política de Marina. Ela seria a herdeira natural para assumir a candidatura, mas as desavenças com integrantes do PSB eram conhecidas. Nesta quinta-feira, seu nome ganhou um aliado de peso. O advogado Antonio Campos, irmão do candidato peessebista, disse ao jornal O Estado de S. Paulo, que a ambientalista devia assumir a chapa. “Se meu irmão chamou Marina para ser sua vice, com esta atitude ele externou sua vontade”, disse Antonio Campos.

Seja qual for a decisão, precisará ser tomada com uma delicadeza cirúrgica para não ferir o sentimento do próprio eleitorado do PSB, que está de luto assim como a vice. “Em política aceita-se mais um político desonesto, do que um traidor”, observa o cientista político Fernando Abrúcio. Em outras palavras, Marina era a escolha de Campos, e a comoção em torno da sua morte deixou pouca margem de manobra para o partido. Marina só não seria candidata se ela não quisesse.

Mas a política brasileira vai entrar em compasso de espera, e os próximos dias serão de luto e apreensão, segundo Abrúcio. Tudo fica turvo no cenário político, neste momento em que os presidenciáveis cancelam seus compromissos de campanha, tentando entender o inesperado. Eles terão de refazer programas gravados, que passariam a partir de semana que vem no horário gratuito, e reprogramar suas agendas. Até os institutos de pesquisas, que começariam a ouvir eleitores nesta semana para uma nova sondagem, terão de ficar em suspenso diante do imponderável.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: