Israel retira suas tropas

Palestinos e israelenses farão três dias de trégua para negociar um cessar-fogo duradouro

Israel retira suas tropas da Faixa de Gaza.Reuters-Live! (reuters_live)

A conclusão da retirada das tropas e tanques israelenses da Faixa de Gaza na terça-feira de manhã permitiu aos palestinos de Rafah visitar pela primeira vez em dez dias as granjas e a área industrial do leste da cidade. Nehya Najar possui uma fábrica de móveis no local, onde emprega 50 funcionários. Ele visitava os galpões e avaliava a destruição causada por granadas e tiros de metralhadora. Najar é um homem prático e só pareceu irritar-se quando descobriu o moderno gerador elétrico esburacado por rifles automáticos. Um trabalhador disse: “Isto foi de propósito, com má intenção”. Depois de quase um mês de operação militar israelense em Gaza, palestinos e israelenses farão três dias de trégua para negociar um cessar-fogo duradouro na Faixa de Gaza. O primeiro dia transcorreu tranquilamente.

Mais informações
Israel e as facções palestinas anunciam um novo cessar-fogo de 72 horas
A Espanha suspende “como medida cautelar” a venda de armas a Israel
A França eleva o tom e pede o fim do “massacre” na Faixa de Gaza
Uma ministra de Estado britânica renuncia em resposta ao conflito em Gaza

Fleumático, Najar avaliou em “cerca de 320.000 euros (960.000 reais)” os prejuízos à fábrica. Sua natureza prática mostrou-se novamente quando lhe perguntaram sobre as condições que os palestinos deveriam exigir para aceitar um cessar-fogo permanente após o fim da trégua de 72 horas: “É fácil”. Ele aplaude a interrupção dos disparos de foguetes palestinos. Mas os israelenses, disse, “deveriam parar, de uma vez por todas, de danificar o tecido industrial e social” da Faixa. O bloqueio por parte de Israel e do Egito “deve terminar imediatamente”. Os palestinos precisam, disse ele, de “um porto e um aeroporto” para que que seus civis possam deixar a Faixa de Gaza. Israel “deve permitir o comércio e respeitar o direito ao trabalho”. O empresário explicou que tem “amigos, sócios e clientes do outro lado da fronteira”. Em sua opinião, “a operação militar serviu para matar civis e semear a destruição”. Israel “deve rever seus objetivos”. Se o bloqueio não for suspenso, Najar prevê “tempos muito difíceis” para os habitantes de Gaza depois de quatro semanas de destruição. Ele acredita que a paz é improvável nestas condições.

Desde 8 de julho morreram 64 soldados e três civis israelenses. Em Gaza morreram mais de 1.830 palestinos. Três quartos eram civis. O primeiro dia de trégua para negociação foi precedido por uma salva de foguetes palestinos contra Israel e alguns bombardeios israelenses minutos antes do início do cessar-fogo, às oito da manhã.

Israel anunciou o envio de um grupo de negociadores ao Egito. As facções palestinas em Gaza, lideradas pelo grupo islâmico Hamas [considerado terrorista pela União Europeia e pelos EUA], levaram ao Cairo uma comissão negociadora conjunta com o partido laico Al Fatah, que governa a Cisjordânia ocupada por Israel. Na segunda-feira apresentaram aos mediadores as condições acordadas entre eles para aceitar um cessar-fogo permanente. A primeira, a retirada completa do Exército israelense, foi concluída na terça-feira, segundo fontes israelenses. Eles exigem o fim do bloqueio de Gaza pelos dois países vizinhos. Também pedem a reconstrução dos extensos danos causados por quatro semanas de bombardeio, e a aplicação do cessar-fogo após a operação militar israelense de 2012. Exigem ainda que os pescadores palestinos possam exercer suas atividades mais longe da costa e que os agricultores possam lavrar as terras mais próximas à fronteira militarizada por Israel. Além disso, o Al Fatah exige que Israel cumpra o seu compromisso de libertar os palestinos detidos antes de 1993.

O líder do Al Fatah em Gaza, Ebrahim Abu al Naga, dizia na terça-feira que “não houve nenhuma dificuldade em formular as condições de consenso” entre os grupos palestinos. Até abril, o Hamas e o Al Fatah mantiveram posições irreconciliáveis desde a curta guerra civil que travaram em 2007. O Al Fatah “tem prioridades” entre as condições, mas prefere não detalhá-las porque “todas são importantes”. Israel, acredita, vai às negociações egípcias “pressionado pelas Nações Unidas, os Estados Unidos e o Egito” para pôr fim à operação militar.

O porta-voz do Hamas, Ihab al Ghusain, também diz que “não houve o menor problema para redigir as condições conjuntas”. Em inglês perfeito, o porta-voz do grupo que controla Gaza declarava na terça-feira que “não são condições, mas sim direitos básicos [dos palestinos]”. Acredita que o consenso entre todas as facções “fortalece a posição de negociação com Israel” e coloca os palestinos em uma posição “mais crível do que nunca”.

28 dias de ofensiva

Até as 15h de terça-feira (9h em Brasília), 1.814 palestinos tinham morrido na Operação Limite Protetor segundo o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês). Destes, 1.312 eram civis, incluindo 408 crianças e 214 mulheres. Dos menores mortos, 70% tinham menos de 12 anos, de acordo com o Unicef.

64 soldados israelenses e três civis foram mortos na ofensiva, de acordo com o OCHA.

Dos 1,8 milhão de habitantes de Gaza, 520.000 foram deslocados pelo conflito, segundo o OCHA.

O OCHA estima em 65.000 os palestinos cujas casas foram destruídas ou danificadas pela ofensiva israelense.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS