A saia justa do banco Santander

Uma carta aos clientes, sugerindo que a melhora de Dilma nas pesquisas poderia piorar o câmbio e as bolsas, cria uma situação embaraçosa para a instituição que tem 20% dos lucros no Brasil

Botín e Rousseff, em imagem de 2013.
Botín e Rousseff, em imagem de 2013.Blog do Planalto

Desde que a presidenta Dilma Rousseff assumiu o poder, em 2011, o presidente mundial do Santander, Emílio Botín, esteve pelo menos quatro vezes no país. E nas quatro ocasiões, foi recebido pela presidenta no Palácio do Planalto, quando Botín fazia questão de tornar públicas suas mensagens de otimismo com o país. “O Banco Santander está muito contente de estar trabalhando neste país. Seguiremos crescendo e temos grande confiança em tudo o que está sendo feito no Brasil”, disse ele na última visita, no dia 12 de setembro de 2013.

É exatamente por essa relação estreita que a notícia de que o Banco Santander enviou uma carta aos clientes de alta renda nesta sexta-feira, sugerindo que a melhora de Rousseff nas pesquisas eleitorais poderia derrubar a bolsa de valores e o câmbio, caiu como uma bomba no Planalto. “A economia brasileira continua apresentando baixo crescimento, inflação alta e déficit em conta corrente… Difícil saber até quando vai durar esse cenário e qual será o desdobramento final de uma queda ainda maior de Dilma Rousseff nas pesquisas. Se a presidente se estabilizar ou voltar a subir nas pesquisas, um cenário de reversão pode surgir. O câmbio voltaria a se desvalorizar, juros longos retomariam alta e o índice da Bovespa cairia.”, diz trecho da carta.

Desde que o assunto ganhou o noticiário, o Santander se apressou em publicar em seu site, disponível para qualquer correntista, uma carta se retratando. “O Santander vem a público esclarecer que o texto enviado a um segmento de clientes, que representa apenas 0,18% de nossa base, em seu extrato mensal,… não reflete de forma alguma o posicionamento da instituição”, dizia o texto, que esclarecia que o referido texto feria a diretriz interna do banco que prevê que as análises econômicas não tragam viés político ou partidário.

Mas, o estrago já havia sido feito, e coube ao Partido dos Trabalhadores tomar a dianteira, uma vez que o Planalto não se pronunciou sobre o assunto. “O que aconteceu é proibido, pois não se pode fazer manifestações que interfiram na decisão de voto”, disse Rui Falcão, presidente do PT e coordenador da campanha de reeleição da presidenta neste ano, ao jornal O Estado de S. Paulo.

Botín, por sua vez, é esperado esta semana no Brasil para um evento promovido pelo banco sobre educação. Não se sabe ao certo se ele virá depois deste episódio, e se estará com a presidenta.

O banco espanhol entrou no Brasil no ano 2000, quando adquiriu, num lance surpreendente, o Banespa, banco público de São Paulo. Na época, dava-se como certo que seriam o Bradesco ou o Itaú, os maiores bancos brasileiros na ocasião, que levariam o cobiçado ativo. Para o Santander, no entanto, foi a porta de entrada para a sua operação no maior país do continente sulamericano. Hoje, o Brasil representa um quinto do lucro do grupo, depois de viver o boom econômico que se seguiu desde então.

Porém, como em qualquer casamento, a alegria e a tristeza fazem parte do acordo. E o Santander tem sentido as dores de uma economia mais difícil. No ano passado, por exemplo, o banco teve uma queda de quase 10% do lucro, em relação a 2012. Foram 5,7 bilhões de reais. No primeiro trimestre deste ano, uma nova queda da lucratividade: 14,92% menos que no primeiro trimestre de 2013, para um total de 518,4 milhões de reais.

Em junho deste ano, o artífice da entrada do Santander no Brasil, Francisco Luzón, que foi vice-presidente do Santander para a América Latina, disse durante a sua participação no Fórum Desenvolvimento, Inovação e Integração Regional, promovido pelo EL PAÍS em Porto Alegre, que o momento atual era de olhar para o futuro, após um trabalho excelente do governo federal nas bases da política econômica até três anos atrás. “Mas atualmente há investimento de menos, incertezas demais e crescimento baixo”, completou.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete