Os EUA se oferecem para mediar um cessar-fogo entre Israel e o Hamas

Obama propõe a Netanyahu retomar o acordo alcançado em novembro de 2012

Obama, nesta quinta-feira, ao voltar de Austin para Washington.
Obama, nesta quinta-feira, ao voltar de Austin para Washington.M. B. Ceneta (AP)

No quarto dia da ofensiva aérea de Israel na Faixa de Gaza, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, propôs nesta quinta-feira ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, a mediação norte-americana para conseguir uma trégua entre Israel e o Hamas. Em uma conversa telefônica, Obama garantiu a Netanyahu que Washington “continua preparado para facilitar o fim das hostilidades, incluindo a retomada do acordo de cessar-fogo de novembro de 2012”. Esse acordo foi impulsionado pelos EUA e pelo Egito e firmado depois de oito dias de um sangrento fogo cruzado, que provocou a morte de pelo menos 154 palestinos e cinco israelenses.

No telefonema desta quinta-feira, o presidente norte-americano condenou o lançamento de foguetes de Gaza ao território israelense por parte da organização islamita Hamas – considerada um grupo terrorista pelos EUA e a UE –, apoiou o direito de Israel de defender-se, mas manifestou sua “preocupação” com a escalada violenta e instou ambos os lados a “restaurarem a calma e proteger a vida dos civis”, depois da morte de 88 palestinos nos ataques aéreos israelenses.

Em 2012, Washington rejeitou negociar diretamente com o Hamas por considerá-lo terrorista e agora procura fazer com que o Egito volte a mediar, como há dois anos, as relações entre Israel e a organização islamita. O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, falou nesta quinta-feira com o chanceler egípcio para tentar convencê-lo de que o Cairo use sua influência para acalmar a situação, segundo explicou a porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki, horas antes do telefonema de Obama. “Parte dos esforços do secretário tem sido para contatar os países da região, incluindo Qatar e Egito. Vamos contatar qualquer país da região que possa desempenhar um papel para acabar com o lançamento de foguetes por parte do Hamas”, disse em sua coletiva de imprensa diária.

As palavras de Obama a Netanyahu estão de acordo com as manifestadas esta semana por porta-vozes da Casa Branca e do Departamento de Estado, que se equilibraram para, de um lado apoiar o direito de Israel de defender-se e mandar uma mensagem de força ao Hamas e, de outro, pedir contenção a ambas as partes e instá-las a manter aberto um canal diplomático.

Com sua proposta de um cessar-fogo, Washington procura evitar que a espiral de violência se espalhe – e não chega num momento qualquer de suas relações com Israel e as autoridades palestinas. Em princípio de junho, o Departamento de Estado defendeu o trabalho com o novo Governo de unidade formado entre o Hamas, que controla Gaza, e o partido Fatah, que administra a Cisjordânia, um acordo que desagradou totalmente o Exército de Netanyahu. E chega dois meses e meio depois do fracasso das conversações de paz entre Israel e Palestina promovidas intensamente por Kerry.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: