Dilma promete mais mudanças ao lançar-se à reeleição

O tom combativo, porém equilibrado, com direito a alfinetadas futebolísticas, marcou a convenção nacional do PT em que a presidenta foi confirmada na disputa de outubro

Rousseff recebe o apoio de Lula durante a convenção do PT.
Rousseff recebe o apoio de Lula durante a convenção do PT.REUTERS

O Partido dos Trabalhadores realizou, neste sábado, uma convenção nacional em Brasília, na qual oficializou a candidatura de Dilma Rousseff às eleições presidenciais de outubro. A atual governante do Brasil, cuja popularidade anda sofrendo quedas segundo as pesquisas mais recentes, encarará as urnas novamente ao lado do vice-presidente Michel Temer (PMDB), sob a promessa de mais mudanças.

O encontro reuniu os dirigentes e as principais figuras do partido e também da atual coligação do Governo. Os gritos de “Um, dois, três... Dilma outra vez!” se impuseram, já de entrada, à preferência de certa ala do PT por Lula na disputa por uma quarta administração petista consecutiva.

Logo depois da votação em que os presentes confirmaram, com mãos alçadas, a escolha de Dilma Rousseff, a presidenta falou sobre a “construção de mais futuro” e “mudar com continuidade”. Sua estratégia, conforme esperado, foi destacar programas governamentais, como o PAC, o Bolsa Família, o Mais Médicos e o Ciência sem Fronteiras, que estão por trás de algumas estatísticas de crescimento do país que a presidenta fez questão de citar – assim como “os enormes desafios” de uma campanha que, segundo se espera, será a mais difícil de todas.

No início, ela manteve um papel na mão para guiar os agradecimentos e os destaques de sua intervenção. Logo, se desprendeu um pouco mais na postura e nas palavras e chegou a afirmar, atacando os críticos ao seu Governo e adiantando os rumos de um possível novo mandato, que não foi eleita "para vender patrimônio público, nem para mendigar dinheiro para o FMI, porque não preciso”. Entre os projetos a futuro reforçados pela candidata, amparados por “solidez econômica” e “amplitude de políticas sociais” para alcançar “o ingresso decisivo do Brasil na sociedade do desenvolvimento”, foi ressaltado o Plano de Transformação Nacional – que deverá passar pela reforma política, com “maior participação popular e um plebiscito para votar os caminhos políticos do país”.

Ao final, Dilma descreveu Lula, que se pronunciou antes, como “um gigante” e voltou a afirmar que é um desafio sucedê-lo na administração do país. Pediu, claro, “mais quatro anos" e "o apoio do povo brasileiro” e, para aqueles que esperavam alguma declaração sobre as vaias e xingamentos que ecoaram pelo Itaquerão na abertura da Copa, se limitou a dizer que nunca fez política com ódio. “Não insulto, mas não me dobro”. E, para não terminar com “baixo astral”, citou um certo “fermento da alegria” e quis deixar claro que “a Copa está dando uma goleada monumental nos pessimistas”.

Coadjuvantes

De microfone na mão e andando de um lado ao outro, Lula despertou as reações mais calorosas da convenção ao proferir suas palavras – sem a ajuda de anotações e mesmo sem ‘script’ aparente. Sua fala, além de servir para prestar apoio incondicional à candidata, que ele definiu como a mais preparada para a “mudança” vislumbrada pelo PT, deu o tom combativo, porém equilibrado, que marcou a convenção. “Nunca haverá divergência entre Dilma e eu. E, se tiver, a Dilma terá sempre razão”, esclareceu o ex-presidente, que, em uma fala calorosa e direta, logo abordou as críticas contra a gestão petista, o suposto pessimismo que circunda a realização da Copa do Mundo no país e os desafios que enfrentarão os militantes do partido até outubro.

Além da preparação para o Mundial, temas espinhosos como os polêmicos xingamentos à presidenta no jogo de abertura do Brasil contra a Croácia, a corrupção e as “mudanças que os governos anteriores não foram capazes de fazer” permearam o discurso mais enfático do evento. Lula ainda encontrou ganchos para divertir a plateia, especialmente recorrendo ao futebol. “Falaram mal dos estádios da Copa, que ia ficar tudo ruim. Mas vejam a Inglaterra... Ela perdeu, porque não estava acostumada a jugar em campos de tamanha qualidade”, alfinetou. E: “Vocês viram a Costa Rica?”.

Tanto Lula, como outros discursantes, frisaram que essas eleições serão as mais difíceis para o PT ­– “talvez sui generis”, acrescentou o ex-presidente.

Rui Falcão, presidente do PT, foi quem abriu a cerimônia criando o contexto de mudança com continuidade, que deverá permear também a campanha vindoura. Falou de Lula como “a maior liderança que o povo brasileiro já ajudou a surgir”, adiantando que o ex-presidente circulará pelo país para “trazer de volta o entusiasmo da campanha de 1989” – quando o ex-metalúrgico quase venceu as primeiras eleições diretas depois da ditadura militar – e lutar contra “aqueles que se apresentam como uma terceira via, mas que se conciliam com interesses neoliberais”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: