A persuasão na sala de parto

A maioria das mulheres deseja ter seu filho de forma normal mas ao longo da gravidez são convencidas a fazer cesárea, aponta um estudo

Quase 70% das mulheres grávidas no Brasil desejam ter seus filhos de parto normal, mas acabam sendo convencidas, ao longo da gestação, a fazer uma cesárea. Segundo estudo da Fundação Oswaldo Cruz, divulgado nesta quinta-feira, a cesariana é realizada em 52% dos nascimentos, sendo que, no setor privado, esse percentual chega a 88%. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que as cesáreas só sejam realizadas quando o parto não pode ser feito de forma natural, o que acontece somente em 15% dos casos.

Nos serviços privados, apenas 15% das mulheres que estavam na primeira gestação acabaram tendo um parto normal. O período de pré-natal influencia na decisão das mulheres pelo tipo de parto, explica a coordenadora de pesquisa, Maria do Carmo Leal. “Não se pode, entretanto, deixar de destacar que é uma visão equivocada achar que a cesariana é a forma mais segura para parir”, explica a coordenadora da pesquisa, Maria do Carmo Leal, segundo a Agência Fiocruz.

Segundo Leal, o número excessivo de cesarianas expõe as mulheres e os bebês aos riscos de efeitos adversos no parto e nascimento. “O índice elevado de cesarianas se deve a uma cultura arraigada no Brasil de que o procedimento é a melhor maneira de se ter um filho”.

Os dados ainda indicam que cerca de 30% das entrevistadas não desejaram a gestação atual, 9% ficaram insatisfeitas com a gravidez e 2,3% relataram ter tentado interromper a gestação, lembrando que o aborto no Brasil é proibido, exceto se a gravidez representar algum risco para a mãe, for fruto de violência sexual ou o feto sofrer de anencefalia.

Depressão pós-parto

A depressão materna foi detectada em 26% das mães entre 6 e 18 meses após o parto, sendo mais frequente entre as mulheres de baixa condição social e econômica, nas pardas e indígenas, nas mulheres sem companheiro, que não desejavam a gravidez e já tinham três ou mais filhos.

Os estudiosos investigaram também quais seriam as vantagens e desvantagens, de acordo com as mulheres consultadas, de se fazer uma cesárea. A ausência de dores do trabalho de parto e a possibilidade de laqueadura foram indicadas como pontos positivos. Como desvantagens, foram mencionadas as dores pós-parto, as dificuldades de recuperação e os riscos da cirurgia. As entrevistadas ressaltaram que a cesariana deve ser feita só em caso de risco para a mãe ou o bebê.

Instigadas a opinar sobre o aumento crescente de mulheres que fazem uma cesárea, a pedido ou não, o principal fator foi o medo das dores do parto e o desconhecimento das vantagens do parto normal. “Algumas mulheres do setor privado destacaram a possibilidade de programar o parto devido à vida agitada da mulher contemporânea, em vez de esperar pela imprevisibilidade do parto normal”, afirmam os pesquisadores.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: