Boston corre a sua primeira maratona depois dos atentados

A disputa contou com fortes medidas de segurança e recorde de atletas. Um norte-americano venceu a prova após 31 anos

Meb Keflezighi celebra com sua mulher a vitória na maratona. REUTERS / ATLAS

O norte-americano de origem eritreia Meb Keflezighi venceu a maratona de Boston. A sua vitória não foi simbólica só pelo fato de se tornar o primeiro atleta dos EUA a ganhar essa prova em 31 anos. Keflezighi entrará para a história mesmo pelo triunfo um ano após duas bombas colocadas na linha de chegada terem matado três pessoas e ferido 260, semeando medo e caos na cidade.

Keflezighi foi mais um dos quase 36.000 corredores que neste ano quiseram participar da maratona para demonstrar que, um ano após os atentados, a cidade voltou à normalidade. “Será uma celebração viva da resistência e de superação da cidade”, assinalou no último dia 15, durante as homenagens feitas em decorrência dos atentados, o prefeito de Boston, Marty Walsh.

Com 9.000 corredores a mais que em 2013, a edição de número 118 da maratona mais antiga do mundo se converteu na segunda com maior presença de público de sua história, nos 42 quilômetros de seu percurso e nas redondezas, onde centenas de milhares de espectadores lotaram os espaços disponíveis para incentivar os atletas.

Nesta segunda-feira, no entanto, não foi uma maratona típica. A inusitada presença policial e as extremas medidas de segurança refletiram a vulnerabilidade que ainda envolve Boston depois dos atentados do ano passado. Cerca de 4.000 agentes -mais de 500 deles à paisana- dos corpos da Polícia local e estatal e do FBI blindaram o percurso entre Hopkinton e a rua Boylston, na qual, em 15 de abril de 2013, os irmãos Dzhokhar e Tamerlan Tsarnaev detonaram duas bombas caseiras escondidas em suas mochilas.

Neste ano, nenhum dos espectadores pôde levar mochilas, como as dos Tsarnaev, ou pacotes volumosos às regiões próximas à linha de chegada. Os corredores também foram proibidos de dispor de suas próprias sacolas no início da disputa. A presença de ambulâncias e equipes médicas também foi reforçada.

“Boston é hoje uma cidade muito melhor que antes. A gente aprendeu a lutar com a tragédia”, disse na semana passada Thomas Menino, o prefeito da cidade durante os atentados. O processo não foi fácil. Muitas das pessoas afetadas pelos atentados sofreram amputações ou sequelas, de muito difícil adaptação.

Os mais de 260 feridos e os quatro mortos durante os atentados foram homenageados com um minuto de silêncio antes do início da maratona. Algumas das vítimas cruzaram de maneira simbólica a linha de chegada, outras puderam finalizar os 42 quilômetros e completar uma prova que ficou sem terminar durante um ano.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: