Bachelet: “É o pior incêndio da história de Valparaíso”

Onze pessoas morreram e cerca de 10.000 deverão ser evacuadas Dezessete aeronaves trabalham para combater o fogo

Carros e casas queimadas em Valparaíso neste domingo.
Carros e casas queimadas em Valparaíso neste domingo.Eliseo Fernández / REUTERS

Um incêndio provocou a morte de onze pessoas na cidade portuária de Valparaíso, de acordo com a informação oficial dada pelas autoridades, que retificaram a cifra entregue há poucas horas pela polícia, que informava o número de 16 mortes.

A presidenta Michelle Bachelet classificou a tragédia de “o pior incêndio da história de Valparaíso”, e não descartou que a cifra possa aumentar nas próximas horas. A governante encabeçou esta manhã um comitê de emergência na cidade portuária e, em uma coletiva de imprensa, informou que cerca de 10.000 pessoas deverão ser retiradas de suas casas e que 17 aeronaves trabalham para combater os focos do incêndio que ainda não foram controlados. “As imagens são impactantes. É uma tremenda tragédia”, assinalou a presidenta, visivelmente afetada.

As chamas começaram no sábado por volta das 16h30 no Chile, no Camino La Pólvora, uma das estradas de acesso à cidade. O incêndio florestal, no entanto, propagou-se rapidamente para zonas habitadas, principalmente pelo calor e o vento intenso. A presidenta informou que um primeiro cadastro indica que existem cerca de 500 casas totalmente danificadas e que o desastre se concentra nas colinas Mariposa, El Vergel, La Cruz, El Litre, Las Cañas, Miguel Ángel e Mercedes.

Valparaíso é uma cidade portuária composta por 42 colinas na orla do oceano Pacífico e é uma das que tem maior população no Chile. As ruas são estreitas e inclinadas, o que dificulta o acesso dos órgãos de emergência. Especialistas em urbanismo, como Iván Poduje, explicaram pela televisão local que entre os problemas que contribuíram para a propagação do incêndio estão o lixo das ruas, a falta de um plano adequado para enfrentar este tipo de tragédia e a construção de casas em locais não permitidos. Ao chegar à cidade, a sensação é de que nem uma agulha entra nessas colinas habitadas.

Bachelet explicou que cerca de 1.250 bombeiros, tanto de Valparaíso como de outras cidades do país, trabalham contra o tempo para controlar as chamas, sobretudo porque a meteorologia indica que os fortes ventos voltarão em breve. A governante informou que ontem à noite decretou estado de emergência na cidade para que as Forças Armadas ajudem a controlar o fogo e deem proteção às vítimas. Neste momento, cerca de 2.000 homens mantêm a ordem e a segurança nas ruas.

A chefe de Estado começou a percorrer os albergues, onde 650 pessoas se refugiaram. Uma mulher chamada Silvia, que passou a noite no albergue da Escola Grécia, descreveu a cena do incêndio: “Quando cheguei na minha casa, o fogo se propagava como uma língua ardente. Minhas crianças estavam ali. Não queriam sair. Corri, retirei elas e a minha tia Marta e descemos o morro. Caíam pedaços de carvão acesos, que pareciam meteoritos”, informa o blog da jornalista Andrea Lagos, que passou a noite no albergue.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50