O SPD impõe sua agenda na Alemanha

Os social-democratas conseguem a aprovação de várias de suas propostas, sobem nas pesquisas e dominam o debate público no início da legislatura.

Angela Merkel no Bundestag com os titulares de Exteriores, Frank-Walter Steinmeier (esquerda), e Economia, Sigmar Gabriel.
Angela Merkel no Bundestag com os titulares de Exteriores, Frank-Walter Steinmeier (esquerda), e Economia, Sigmar Gabriel.tobias schwarz (reuters)

Fazia dois anos desde a última vez que um líder social-democrata havia superado a democrata-cristã Angela Merkel nas pesquisas de popularidade da televisão pública ARD. Apenas seis semanas depois que a União Democrata Cristã (CDU), de Merkel, apresentou a nova grande coalizão com os social-democratas do SPD, o ministro de Relações Exteriores Frank-Walter Steinmeier (SPD) volta a ser o político mais popular da Alemanha.

Seu partido conseguiu que o programa eleitoral com o que perdeu as eleições gerais de setembro determine a agenda política interna. Tanto a aprovação de um salário mínimo interprofissional a partir de 2015 quanto a reforma das pensões dominaram o debate político e os conflitos que surgiram foram resolvidos em favor do SPD. As pesquisas para as eleições europeias de maio são um termômetro da temperatura política da coalizão: os partidários de Merkel se mantêm tranquilos com os mesmos 38% de 2009, os eurocéticos da Alternativa para a Alemanha (AFD) passam do 0% para 6% e o SPD soma quase nove pontos, beirando os 30%.

O partido introduz o salário mínimo e a aposentadoria antecipada

A ambiciosa Transição Energética das centrais atômicas para as renováveis se perfila agora como o próximo empecilho para a estabilidade da coalizão. Trata-se da reforma mais ambiciosa que Alemanha fará nos próximos anos. Quem dá as cartas aqui é o presidente do SPD, Sigmar Gabriel, que também é vice-chanceler e superministro de Economia e Energia. O social-democrata se fortaleceu na liderança de seu partido antes de firmar o pacto de Governo com Merkel. Na semana passada, ele resumiu em uma entrevista a renovada autoconfiança do SPD: “Merkel não é minha chefa.”

Também o jornal bávaro Süddeutsche Zeitung se referiu na semana passada a Gabriel como “o chanceler paralelo”. O influente semanário liberal Die Zeit definiu as negociações sobre as reformas energéticas como “uma lição para Merkel”.

Depois de quatro anos de Governo com o partido liberal-democrata FDP, ao qual humilhou até esmagá-lo com seu abraço de urso político, Merkel está negociando com um SPD “que se propôs a não deixar que tirem nada, absolutamente nada, de suas mãos”.

A cúpula da CDU aprovou sábado em Erfurt o esboço de programa eleitoral para as eleições europeias de 25 de maio. A inércia do triunfo eleitoral de setembro e o indubitável poder da chefa dentro do partido não deixam muito lugar para as críticas. Ela saiu tantas vezes de situações adversas que algumas semanas de eclipse democrata-cristão não são suficientes para causar revoltas. Mas sobre Erfurt pairaram sombras como a do tesoureiro do partido Helmut Linssen, que renunciou na quinta-feira sob suspeita de ter evadido impostos com empresas fantasmas em paraísos fiscais como Bahamas e Panamá. Segundo o esboço do programa democrata-cristão em sua página 17, “quem evade impostos não rouba só do Estado, rouba do conjunto da sociedade”.

Steinmeier supera em popularidade a Merkel e o SPD ganha nove pontos

Angela Merkel falou sábado da renúncia de Linssen como “um passo necessário”. Ela conserva as rédeas da situação e mantém uma tática política de eficácia comprovada: observar o surgimento de problemas e participar dos debates como juiz, não como parte envolvida.

As eleições europeias, que coincidirão com votações municipais em grandes zonas da Alemanha, colocarão à prova essa tática. Enquanto o SPD vai demonstrando que, como sócio, é melhor adversário que os liberais, Merkel observa com o canto do olho a nova direita aglutinada na AFD.

A formação rejeitou aliar-se com outros partidos da direita populista europeia, como o holandês de Geert Wilders, mas tanto seu discurso público quanto seu programa eleitoral estão se apoiando em posições direitistas tradicionais.

Nas eleições legislativas de setembro, a AFD obteve nada menos que 4,7% dos votos com o lema “Coragem pela verdade”, transmutado agora em “Coragem pela Alemanha”. Em conformidade com o sentimento majoritário dos alemães — 40% acreditam que seu país se beneficia de estar na União Europeia, enquanto 19% consideram o contrário —, a AFD não propõe que a Alemanha deixe a UE nem o mercado comum. Mas, adormecida agora sua luta contra o euro, assume posições conservadoras tradicionalmente ocupadas pela CDU.

Enquanto o SPD recupera parte do espaço na centro-esquerda, arrebatado por Merkel no passado, os conservadores do Círculo de Berlim na CDU pediram na semana passada que o partido “não deixe espaços livres” que seus novos competidores da direita possam dominar.

O que se apresentava como uma reunião tranquila em Erfurt para tratar do programa eleitoral para as eleições europeias serviu, assim, para que a CDU enfrente as ameaças que vêm por aí este ano.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: