ABERTO DA AUSTRÁLIA | SEMIFINAIS

Nadal deixa Federer mudo

O número um chega na final do Aberto da Austrália, que jogará no domingo contra Wawrinka, depois de constranger 7-6, 6-3 e 6-3 ao suíço

Nadal comemora a vitória.
Nadal comemora a vitória.SAEED KHAN (AFP)

É Roger Federer se atirando na jugular de Rafael Nadal. Disputam as semifinais do Aberto da Austrália, e o suíço protagoniza um arranque que leva a assinatura de Stefan Edberg, seu novo técnico: igual a um lobo que fareja sangue fresco, o número seis ataca a rede sem meio termo, ensinando as presas e fugindo do desgaste da linha de fundo. Ocorre que do outro lado não há um carneiro ferido, mas sim o melhor caçador que existe agora no tênis: de passo em passo, Nadal torna seu adversário um kamikaze com a derrota como único destino, e acaba destruindo o revés do suíço no caminho. A nova raquete, de cabeça maior, não ajuda o campeão de 17 grandes a controlar a direita alta do ganhador de 13. Por esse custo, Federer vive um autêntico drama, e soma tantos erros como para explicar que a mítica rivalidade ameace a se converter em um monólogo: Nadal (7-6, 6-3 e 6-3) manda 23-10, não perde nas grandes competições desde 2007 e ganhou oito das últimas 10. O espanhol jogará pelo título com Stan Wawrinka, que em 12 partidas não ganhou nenhum set.

“Jogar com Roger sempre é muito especial. É um grande campeão, e para mim uma honra estar na mesma era que ele”, disse sobre a pista do ganhador. “Depois de perder no ano passado o torneio (por lesão) é muito emocionante voltar na final”, acrescentou o espanhol, que em 2012 perdeu o jogo decisivo contra Novak Djokovic em 5h53 minutos. “Sei que fica um oponente muito difícil, que está jogando impressionantemente e terei que ser muito agressivo para que não fique em posições fáceis”.

Federer compete com a angústia de saber que o relógio joga contra

Federer defende com a máxima ambição sua sorte no encontro. Sopra o vento, é de noite e faz frio. Essas três circunstâncias, que prejudicam sua proposta de abordagem contínua, não lhe ajudam. “Let’s go Roger, let’s go!”, gritam as pessoas que abarrotam a pista Rod Laver. E Federer que ataca pela primeira vez a rede sobre um segundo serviço. E Federer que atira plano, planísimo, disparando bolas cujo rastro segue para adiante com a raquete como lança mas sem escudo. E Federer que perde os quatro primeiros pontos que toca com o revés, e que assim tem muito claro do que vai ser o jogo. Ou saca muito bem, ou perde com certeza, porque não tem armas para aguentar o pulso desde a linha de fundo. Quando baixa a cortina, sua folha de serviços diz que só disparou 66% dos primeiros saques e só ganhou 65% desses pontos, diante de 81% do resto do torneio. Insuficiente.

Federer, jogando contra Nadal.
Federer, jogando contra Nadal.Scott Barbour (Getty Images)

Nadal cresce com o passar dos minutos. Ele, com todas suas cicatrizes, incluída essa bolha na mão esquerda que o fisioterapeuta terá que voltar a tratar, é um tenista em plenitude, que cavalga sobre a força dos seus 27 anos e de um 2013 impressionante. Federer, um gênio de 32 anos, jamais se aproxima no jogo e compete com a angústia de saber que o relógio joga contra. O suíço não se aponta nenhuma mísera bola de break nas duas primeiras mangas. Agarrado aos seus tiros de lenda, Federer é capaz de negar as primeiras sete bolas do break de Nadal, resiste até o tie-break da primeira manga, e sonha com encontrar a inspiração no momento justo. O passar dos minutos é sua condenação. Disparado nos erros nos golpes de transição, a meia pista, Nadal se supera em todos os tempos do jogo, o que lhe permite sair sem feridas de um dia muito normal de serviço, porque os restos do revés do suíço saem de um filme de terror.

A linguagem corporal do campeão de 17 grandes reflete seu desespero. Nega com a cabeça depois de suas falhas de revés. Repete uma e mil vezes o gesto do golpe. As estatísticas demonstram como tenta atacar a bola de Nadal mais na frente que nunca, e também como isso não lhe serve de nada. Grita como não gritou quase nunca e reclama ao juiz dos barulhos que emite Nadal ao atingir a pelota, que são os mesmos de sempre. A chave da partido está nas mãos do número um do mundo, que com tudo a seu favor para fechar a porta (dois sets e break de vantagem) soma três erros em um mesmo jogo para lhe entregar ao seu adversário o primeiro rompimento do duelo. Dá na mesma. Federer, um tenista como não terá outro, magnífico e maravilhoso, não encontra soluções estratégicas para o drive de Nadal, nem para suas pernas, que com recuperações incríveis lhe obrigam sempre a mais esforços, a mais riscos, a mais falhas.

O mítico Pete Sampras viu ele no palco de honra: Nadal está em um jogo de igualar sua histórica marca de 14 grandes.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: