Marta Lagos, diretora do instituto de pesquisas Latinobarómetro, na segunda-feira passada em Madri.

“Bolsonaro pode ser visto como a ruptura que a política brasileira precisa para ser reformada”

Chilena que dirige o Latinobarómetro acredita que a persistência na América Latina de uma classe baixa que não progride explica a eleição de líderes autoritários como o novo presidente do Brasil

Theresa May, junto aos líderes dos países da UE.