Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Ilha desabitada do Pacífico Sul é o lugar com mais lixo no mundo

Os 37 quilômetros quadrados de Henderson acumulam 18 toneladas de resíduos que chegam flutuando

Praia da Ilha Henderson em 2015.
Praia da Ilha Henderson em 2015. AP

Uma ilha desabitada do Pacífico Sul é o lugar com a maior densidade de lixo no mundo. O território de Henderson acumula 18 toneladas de resíduos em seus 37 quilômetros quadrados, ou seja, 671 pedaços de lixo por metro quadrado, de acordo com um estudo publicado na segunda-feira pela revista científica norte-americana PNAS. A cada dia chegam 3.570 resíduos flutuando, embora o território fique a 5.000 quilômetros de distância da massa continental mais próxima, acrescenta o artigo.

Caranguejo usa um pedaço de plástico como abrigo, em 2015. ampliar foto
Caranguejo usa um pedaço de plástico como abrigo, em 2015. AP

A Ilha Henderson faz parte do arquipélago britânico de Pitcairn e lá são realizados estudos científicos a cada cinco ou dez anos. Está localizada perto do chamado Giro do Pacífico Sul, um redemoinho gigante onde se acumulam detritos transportados pelas correntes marinhas provenientes de navios ou da América do Sul.

Os cientistas estimam que existam cerca de 38 milhões de pedaços de plástico na Ilha Henderson, cujo tamanho é semelhante ao da cidade espanhola de Corunha. No entanto, a quantidade de lixo pode ser ainda maior, como explicou a principal autora do estudo, Jennifer Lavers, do Instituto de Estudos Marinhos e Antárticos da Universidade da Tasmânia. A equipe de cientistas só explorou até uma profundidade de dez centímetros de areia, nas áreas de falésias o acesso foi menor, e muitos pedaços de plástico eram pequenos demais para serem contados.

Recipientes de plástico, boias de pesca, redes, escovas de dente e isqueiros são parte dos resíduos que cobrem a ilha. Embora a maioria seja de “objetos não identificados”, como os milhares de pedaços medindo apenas um milímetro, disse Lavers à agência Efe.

“O que vemos na Ilha Henderson demonstra que nenhum lugar do mundo escapa da poluição pelo plástico, nem mesmo os mais remotos nos oceanos”, disse Lavers. A especialista alertou que 25% das espécies marinhas e algumas aves comem plástico em algum momento. “E se alguém comer um peixe com tecidos contaminados na verdade está comendo seu próprio lixo”, insistiu.

Os cientistas estimam que, enquanto na década de cinquenta a produção de plástico era inferior a dois milhões de toneladas, em 2014 ultrapassou os 300 milhões de toneladas em todo o mundo. O plástico que não é reciclado e termina no mar, onde flutua durante anos, representa uma ameaça para os animais que o ingerem ou se enredam no lixo, explica o estudo.

Caranguejo usa um pedaço de plástico como abrigo, em 2015.
Caranguejo usa um pedaço de plástico como abrigo, em 2015. AP

MAIS INFORMAÇÕES