Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A última moda em tatuagens de famosos: fazer em grupo (se for numa festa, melhor)

Bem-vindos à era dos tatuadores ‘celebritiy’: as estrelas disputam Jon Boy e Dr. Woo

As grifes de moda os contratam para tatuar em seus eventos

Selena Gomez e parte do elenco de ’13 Reasons Why’ fizeram uma tatuagem simbólica da série.
Selena Gomez e parte do elenco de ’13 Reasons Why’ fizeram uma tatuagem simbólica da série.

Primeiro foram as protagonistas de Pretty Little Liars, depois Selena Gomez e vários outros atores de 13 Reasons Why, a série do momento, com segunda temporada já confirmada. Agora, quem apostou em perpetuar a tendência das tatuagens reduzidas à mínima expressão são Bella Thorne e um dos seus colegas de elenco em Famous in Love, o enésimo projeto que se propõe a recuperar o espírito de Gossip Girl.

Ashley Benson, Lucy Hale, Troian Belisario e Shay Mitchell (Pretty Litlle Liars) se animaram, no final das gravações, a marcar com tinta a inicial dos seus respectivos personagens na parte interior do indicador. E, algumas semanas atrás, Gomez, Alisha Bae (Jessica na série) e Tommy Dorfman (Ryan), de 13 Reasons Why, gravaram um ponto-e-vírgula na parte externa do pulso. Um símbolo em memória não só da personagem de ficção da qual todo mundo continua falando, Hannah Baker, mas também de Amy Bleuel, promotora do movimento em apoio às doenças mentais e à prevenção do assédio escolar e do suicídio adolescente, o Project Semicolon (“ponto-e-vírgula”, em inglês). Bleuel tirou a própria vida dias antes da estreia de 13 Reasons Why e de que Selena e sua turma decidissem lhe prestar uma homenagem com essa minúscula marca carregada de grande valor simbólico.

Um gesto simbólico que nada tem a ver com o de Thorne, que optou dias atrás por uma diminuta cara sorridente, feita alta madrugada numa festa particular. Esta nova prática, a de se tatuar entre amigos na balada, é uma moda que está virando um autêntico fenômeno. O autor da sua primeira tatuagem – em janeiro lhe gravou um número 93 no braço – é justamente Jon Boy, especialista nesse finíssimo traço, feito com uma só agulha, que anda tão em voga. Ele é, junto a seu homólogo na Costa Oeste, Dr.Woo, o tatuador oficial das melhores casas noturnas da moda. Lugares aonde as pessoas vão para fazer vida social, ganham um brinde da casa e saem marcadas pelo resto da vida. Esses dois nomes certamente não dizem nada aos neófitos na arte da tatuagem, mas, para darmos uma ideia, eles são algo assim como a Linda Evangelista dos desenhistas de pele, em versão minimalista. Porque nenhum deles saca suas pistolas single-needle por menos de cem dólares (310 reais), mais gorjeta, mesmo que seja só para fazer um imperceptível sinal ortográfico que leva menos de um minuto. Gravador de confiança de Chiara Ferragni – a mesma que até o verão passado só se colocava nas mãos de Woo…–, inclusive do seu já oficialíssimo “ravióli”, e prestando-lhe serviços em domicílio na sua casa de West Hollywood, Jonathan Valena (assim se chama Boy), cujo traço passou neste ano pelas páginas do The New York Times e da Vogue, tem seu estúdio instalado no Greenwich Village de Nova York. Lá, no West 4 Tattoo, situado entre a 163 W e a 4th St, costuma receber seus clientes sob rigorosa hora marcada com vários meses de antecedência, mas também encaixa na agenda amigas como Rihanna, Cara Delevingne, Bela Hadid (em quem fez um perfil de asas assim que ela concluiu o último desfile da Victoria’s Secret), Hailey Baldwin (que tatuou a palavra “pray” [oração] nas mãos a pedido de Kendall Jenner) e Sofia Richie (a quem, aliás, retocou momentos antes de começar a cerimônia do Met).

We got the Shhhhhhh immortalized. #pllforever

Uma publicação compartilhada por Janel Parrish (@janelparrish) em

Quando sua agenda permite e ele não está convidado a nenhuma festa patrocinada pela Gucci, grife que veste com devoção – já declarou abertamente que deseja “botar a mão” em Alessandro Michele, a quem conheceu há pouco tempo na Big Apple –, se dedica a tatuar convidados em eventos organizados pela Coach, ou pela Nike, para a qual andou tatuando com exclusividade logotipos da marca durante as festividades de aniversário do Air Max, em março. Também pintou blogueiras e instagramers nas jornadas que a Revolve costuma montar paralelamente a festivais como o Coachella. Kendall Jenner foi a primeira celebridade que ele rotulou permanentemente: só um pontinho no dedo. Uma mancha insignificante, cuja repercussão o levou a trocar definitivamente sua vocação de pastor pela de tatuador dos formadores de estilo.

Algo parecido aconteceu com Dr. Woo, o até então pupilo do mestre das celebrities, Mark Mahoney, alma mater do simbólico Shamrock Social Club de Sunset Boulevard. Lá se tatuaram as personagens da série Pretty Little Liars e Selena Gomez e foi ele quem há algumas semanas “desvirginou” Brooklin Beckham a pedido de seu bom amigo David. Brian Woo é artífice de inúmeros retratos, citações, frases e mensagens aguilhoadas sobre pernas, costas, ombros e torsos de atores – Johnny Depp e Brad Pitt –, cantoras – Lady Gaga e Lana del Rey – e artistas dos mais variados. O tatuador tem mais de um milhão de seguidores no Instagram e passa longas temporadas fazendo turnês pela Ásia. Tempos atrás deixou o estúdio de seu mentor para se mudar ao próximo e recentemente renovado Hotel Roosevelt. Agora seu novo centro de operações está instalado ali. Um lugar muito mais propício para receber esses paroquianos cool que não se importam de esperar pacientemente até um ou dois meses para marcar uma sessão e contar assim com uma de suas refinadas e apreciadas ilustrações pintadas.

93 @bellathorne #jonboytattoo

Uma publicação compartilhada por c/s ∴jon✞boy∴ p/v (@jonboytattoo) em

Tanto Dr. Woo como JonBoy são o claro exemplo de que os tatuadores são os novos desenhistas cult: todo mundo quer ter alguma coisa sua – se for exclusivo e personalizado, melhor, e nada mais único do que uma tatuagem – e seu raio de ação criativo abarca vários campos ao mesmo tempo. Ambos serviram como atração de templos da moda como o Colette, onde Woo no ano passado apresentou sua edição limitada de óculos para Thierry Lasry, enquanto Boy fazia o mesmo com uma coleção cápsula para a GRLFRND Denim. Além disso, se este último está prestes a lançar sua própria colaboração com a empresa italiana Koio para uma série de tênis esportivos, Woo tem até mesmo sua própria linha de cadeiras criada em parceria com marca de móveis Modernica.

MAIS INFORMAÇÕES