Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Um revés para os traficantes de combustível que tiram o sono da Petrobras

Polícia Civil e MP do Rio desarticulam máfia do Estado com ramificações em SP e MG

Roubo de petróleo trouxe prejuízo de 33 milhões de reais em 2016 para a companhia

Petrôleo cru roubado no Rio era enviado a uma refinaria ilegal em São Paulo.

Denílson Silva Pessanha, conhecido como Maninho do Posto, é um homem ambicioso e agressivo e, como dono de postos de gasolina no Rio de Janeiro, resolveu sugar o sangue da maior companhia do Brasil, a Petrobras. A máfia liderada por Maninho é considerada responsável pelo roubo de milhões de litros de petróleo cru da petroleira, além do refino e posterior venda ilegal do combustível. Um negócio articulado e milionário, com ramificações em São Paulo e Minas Gerais. Só em 2016, a Petrobras reconhece um prejuízo de 33,4 milhões de reais pelo roubo de 14 milhões de litros de combustível, uma prática, concentrada na Baixada Fluminense –por onde corre uma boa parte dos 6.000 quilômetros de dutos da companhia– na qual Maninho era o rei.

Desde junho de 2015, a Polícia Civil do Rio e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime do MP estadual (Gaeco) acompanham os passos de Maninho, ex-vereador de Duque de Caxias que tentou se reeleger pelo PDT no ano passado apesar de seus processos pendentes na Justiça por tentativa de homicídio, tortura, estelionato, agressão e ameaça. Os investigadores haviam sido alertados pelo setor de Inteligência da Petrobras de que o roubo de petróleo nos oleodutos da companhia, um crime associado às milícias, estava aumentando: as ocorrências do tipo saltaram mais de 400% em apenas um ano (de 14 em 2015 a 76 em 2016). Em 2014 havia sido apenas um.

Uma das perfurações descobertas pelos investigadores.
Uma das perfurações descobertas pelos investigadores.

A investigação, de quase dois anos, levou até Maninho, hoje foragido, e seus comparsas, quase todos com antecedentes, e a suspeita é de que eles eram os principais ladrões de petróleo não só da região, mas no país. A operação deflagrada para desarticulá-los acabou com a prisão de treze pessoas no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, entre eles dois policiais militares. Cinco pessoas, incluindo Maninho, estão foragidas. O esquema era sofisticado e poderia contar com ajuda de funcionários ou ex-funcionários da Petrobras, capazes de identificar não só os lugares onde os dutos passam como também de perfurar e instalar uma bica evitando vazamentos. A atividade, além de lucrativa, é muito perigosa, pois uma manobra ou perfuração malfeita pode provocar um vazamento de milhares de litros de cru e até de gás, produtos altamente inflamáveis.

A quadrilha alugava terrenos estratégicos por onde os dutos passavam e aproveitava a escuridão da noite para entrar com caminhões-cisterna e homens armados. Os criminosos puxavam uma mangueira preta escondida na vegetação e enchiam o tanque de combustível até o amanhecer. Dependendo da natureza do insumo, o enviavam a uma refinaria ilegal em São Paulo ou Minas, no caso do petróleo cru (90% dos casos), ou diretamente a postos de gasolina, quando tratava-se de diesel, etanol, gasolina ou nafta. O litro de petróleo, segundo os promotores, era vendido por um real, enquanto os derivados por dois reais. A Petrobras viu-se com dificuldades para identificar os lugares exatos das perfurações pois seu sistema de controle percebe a variação de pressão nos dutos, mas num raio de até cinco quilômetros, explicaram os promotores.

O controle do negócio se paga com a vida

A quadrilha de Maninho do Posto, embora poderosa, não é a única que atua na Baixada Fluminense e o controle do negócio se paga com a vida. Há fortes indícios, mas não provas, segundo os promotores, de que a atividade desta máfia esteja relacionada com, pelo menos, três homicídios acontecidos no ano passado em Duque de Caxias que levaram, ainda, à descoberta de cinco pontos de perfuração nos dutos da região, onde se encontra a Refinaria Duque de Caxias (Reduc), da Petrobras.

Sérgio da Conceição de Almeida, o Berém do Pilar, pré-candidato a vereador pelo PSL, Denivaldo Meireles, segurança privado e com vínculos com a milícia, e Leandro da Silva Lopes, pré-candidato a vereador pelo PSDB e com duas passagens na polícia por suspeita de homicídio, foram mortos por homens encapuzados com dezenas de tiros entre junho e julho de 2016, nas vésperas das eleições municipais. A princípio acreditou-se que a motivação das mortes poderia estar relacionada à ambição política das vítimas, mas a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense acabou descobrindo que os três integravam um esquema muito parecido ao que liderava Maninho. As mortes, apontaram as investigações, poderiam ter sido fruto da traição ou concorrência entre as máfias do combustível da região. "O que descobrimos foi a ponta do iceberg e certamente há outras quadrilhas atuando nos dutos da Petrobras, não só na Baixada", disse a promotora Simone Sibílio.

A desarticulação da quadrilha foi uma excelente notícia não só para os investigadores e promotores, mas provavelmente também para os concorrentes. Na época dos assassinatos, os policiais perceberam que a descoberta e desativação de uma primeira bica provocou um efeito cascata e denunciantes anônimos começaram a apontar a existência de outros muitos pontos de extração. Não eram cidadãos comuns dispostos a combater o crime, mas os próprios criminosos dispostos a prejudicar o negócio dos competidores.