Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A tribo que quer barrar o muro de Trump

Os tohono o’odham luta para impedir que a barreira fronteiriça atravesse suas terras

O agricultor Jacob Serapo, membro da tribo.
O agricultor Jacob Serapo, membro da tribo.

Eles chegaram antes que todos e não se darão tão facilmente por vencidos. Uma pequena comunidade indígena do deserto de Sonora abriu uma nova frente contra o muro que Donald Trump pretende construir na fronteira dos Estados Unidos com o México. A história dos tohono o’odham se conta através de uma linha tão real quanto imaginária que dividiu sua tribo em dois pedaços. Quase todos os seus 30.000 membros vivem no Arizona, mas alguns de seus familiares e a maioria dos seus lugares sagrados estão no lado mexicano. A nova cerca seria o tiro de misericórdia para um povo que ignora os limites territoriais desde que estes o separaram arbitrariamente, há 160 anos. A luta pela preservação das suas terras poderá em breve levar a tribo à Corte Interamericana de Direitos Humanos. “Se alguém construir um muro, será sobre o meu cadáver”, sentencia o vice-chefe tribal Verlon José.

“Não existe uma palavra para dizer muro na nossa língua”, afirma Jacob Serapo, um agricultor indígena, num vídeo que a tribo fez para divulgar seu ponto de vista. O vasto território da etnia tem uma superfície similar à do Estado de Connecticut e se estende ao longo de 150 quilômetros de fronteira. Do lado mexicano se espalha por seis municípios, mas sua população não supera alguns milhares de pessoas. A comunidade foi desgarrada quando em 1854 o México vendeu aos Estados Unidos o território de La Mesilla, que compreende o sul do Arizona e o sudoeste do Novo México.

As autoridades tribais mexicanas apresentaram um pedido de mediação à Secretaria de Governo (Casa Civil) e à Comissão para o Diálogo com os Povos Indígenas. A natureza tem um papel preponderante na mitologia dos tohono o’odham, embora também estejam em jogo as relações transfronteriças e a própria sobrevivência da tribo, porque o trânsito de um lado a outro da linha lhes permite suprir suas necessidades. “É um não taxativo ao muro, porque afetaria nossos territórios ancestrais, a flora e a fauna da região, e seria como nos eliminar, sobretudo os membros da tribo no México”, afirma Óscar Velásquez, um dos chefes dos pápagos, nome que esse grupo recebeu dos missionários espanhóis.

Velásquez diz que a tribo não recebeu o apoio que esperava do Governo mexicano. “Nossa tribo foi muito maltratada, historicamente nos privaram de terras e de lugares sagrados, e agora não prestam atenção em nós”, lamenta em uma entrevista por telefone. O representante tribal recorda que há alguns anos eles podiam transitar livremente, mas desde os atentados de 11 de setembro de 2001 nos EUA esse salvo-conduto foi cassado para a chamada gente do deserto.

A representação do lado norte-americano colabora com as autoridades migratórias para evitar o fluxo de imigrantes e estupefacientes e está disposta a manter o controle fronteiriço, mas sem a barreira.

Jacqueline Pata, diretora-executiva do Congresso Nacional de Índios Americanos, que assessora a tribo na disputa, argumenta que existe um limbo jurídico em torno da autoridade de Trump para construir por decreto um muro em reservas indígenas, sob o pretexto de reforçar a segurança nacional. Se o presidente seguir a linha das ordens executivas (medidas provisórias), como fez em seus dois primeiros meses de mandato, é possível que seja impedido pela Justiça. Mas a representante indígena acredita que o conflito pode ter uma solução negociada e descarta que a única saída seja uma ação judicial contra o Governo dos Estados Unidos.

“Estamos convencidos de que as nações tribais são Governos soberanos, assim como as autoridades federais e estaduais dos Estados Unidos, e julgamos ter o direito de sermos ouvidos no processo decisório, tanto sobre nossa gente como sobre nossas terras”, argumenta Pata. A diretora observa que sua organização se empenha para que outras tribos originárias se conscientizem do impacto que as políticas migratórias de Trump causam sobre suas comunidades, e relata que outras cinco etnias, seja na fronteira com o Canadá ou com o México, podem ser afetadas.

Velásquez hesita quando perguntado a respeito da sua identidade nacional. Seus irmãos são norte-americanos, ele nasceu no México, mas afinal são todos tohono, e ele sabe que a unidade é crucial se eles quiserem enfrentar a Casa Branca. “Necessitamos de uma frente comum, que una a águia ao condor, que abranja todos os povos originários da América.”

MAIS INFORMAÇÕES