Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A história por trás do vídeo do professor e seus filhos na BBC

Os estereótipos levaram muita gente a dar como certo que a mulher que recolhe as crianças era sua babá

Na sexta-feira os filhos de um professor britânico de Ciências Políticas entraram em seu escritório enquanto ele concedia uma entrevista ao vivo para a BBC. Robert Kelly opinava sobre a destituição da presidenta sul-coreana quando sua filha e seu filho irromperam na sala, em uma cena que viralizou nessa mesma tarde. Os fenômenos virais, impulsionados pelo destaque dado pela mídia, são cada vez mais ágeis.

O vídeo deu a volta ao mundo em menos de 34 horas, provocando até mesmo análises exaustivas como a que publicou Medium. Somente na página oficial do Facebook da BBC One acumula 65 milhões de reproduções e em outra conta da emissora no Twitter está a caminho de 65.000 retuítes. Não é nem uma pequena parte do alcance real do vídeo. Este gráfico do Google mostra o súbito aumento das buscas dos termos Robert Kelly nas últimas horas.

Antes de a cena começar a ser difundida em massa pelas redes sociais, um usuário do Twitter pediu permissão a Kelly para compartilhar o vídeo. O professor respondeu perguntando onde queria compartilhá-lo e se esta era "uma dessas coisas que se tornam virais e estranhas". Outro tuiteiro deixou bem clara a resposta.

Sim/ Assuma.

Muitos usuários das redes consideram este vídeo o viral mais divertido deste ano.

Assim se entra na balada

Por mim, tudo dá na mesma

Acabou a hora do trabalho, cara. É FIM DE SEMANA

Por que viralizou tão rápido?

Este vídeo lembra o impacto que tiveram nas redes sociais outros fenômenos, como o do polêmico vestido azul e preto ou branco e dourado. Quando o debate sobre as cores do vestido acabava de começar, Neetzan Zimmerman, um dos principais especialistas (e criadores) de conteúdo viral, afirmava que não se lembrava de nenhum meme que tivesse crescido tão depressa, mas garantia que tinha "todas as qualidades de um sucesso viral: é bobo, divide, é visual e marcadamente compartilhável". O vídeo do professor e sua família cumpre pelo menos três dessas características: é bobo, visual e muito compartilhável. E, como ocorreu com o vestido, seu impacto aumenta por obra dos meios de comunicação.

Provoca menos debate que o vestido, embora levante algumas questões sobre a atitude tomada pelo professor e a identidade da mulher, porque muitos usuários em redes e meios de comunicação deram como certo que era a babá das crianças.

Quem é a mulher do vídeo?

Não é a cuidadora, mas a esposa do professor. O Daily Mail publicou uma entrevista com a mãe de Robert Kelly. Segundo o relato do tabloide britânico, a menina tem quatro anos e o bebê, nove meses. "Certamente pensaram que seu pai estava falando pelo Skype com seu avô", disse a mãe ao jornal britânico. Alguns meios de comunicação e usuários de redes sociais deram como certo que se tratava da babá. O blogueiro Phil Yu, autor de Angry Asian Man (Homem Asiático Irritado), criticou em declarações ao Los Angeles Times que "as pessoas se deixem levar pelos preconceitos". "Há estereótipos sobre as mulheres asiáticas como serviçais, passivas e conformadas com um papel de dona de casa", acrescenta. Por sua vez, a escritora norte-americana e feminista Roxanne Gay convidou os espectadores do vídeo a refletir "porque dão como certo que se trata de uma babá", em um dos tuítes mais compartilhados.

Esta babá está totalmente despedida

"Robert costuma falar conosco do escritório que tem em casa, onde realizou a entrevista. As crianças escutaram vozes que saíam do computador e assumiram que éramos nós (os avós)", disse a mãe do especialista, que considera o vídeo "muito divertido". "Só espero que meu filho ganhe reconhecimento por seu trabalho e por isto", acrescenta.

1)É sua mulher, e não a babá ou empregada 2) Tem um nome Jung-a Kim 3) Crianças muito graciosas 4)A vida é assim ❤️

É professor de Relações Internacionais no Departamento de Ciências Políticas e Diplomacia da Universidade de Pusan (Coreia do Sul). Está há oito anos trabalhando nesta universidade, segundo seu perfil do Linkedin. Em seu canal do YouTube podem ser vistas outras de suas entrevistas a meios de comunicação.

Em outro tuíte posterior, Kelly agradeceu um outro usuário por seu comentário, no qual reconhecia seu profissionalismo como analista político. Não voltou a se pronunciar em nenhuma de suas redes sociais ou em meios de comunicação.

P.S: Estas são outras piadas compartilhadas no Twitter.

Esta parodia a entrevista da BBC

Os perigos de trabalhar em casa

Agora não. Papai é um professor universitário.

Quem se sai melhor?

São primas, primas idênticas

MAIS INFORMAÇÕES