Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Organização católica da Itália recebe mais refugiados que 15 países da UE

Comunidade de Santo Egidio levou à Itália a 700 asilados em um ano

Mulheres imigrantes desembarcam na Sicília. REUTERS

Em um ano, a Comunidade de Santo Egídio transferiu 700 refugiados de maneira legal e segura do Oriente Médio para a Itália, mais que a soma dos acolhidos por 15 países da UE juntos. E só seis nações acolheram, separadamente, mais refugiados que a organização católica: França, Alemanha, Portugal, Holanda, Finlândia e Espanha, que recebeu 744 pessoas. A promessa da UE era receber 160.000 asilados.

O projeto, o primeiro do gênero na Europa, oferece um modo legal e seguro de entrar na UE. Baseia-se em um acordo assinado entre os ministérios do Interior e de Relações Exteriores da Itália e três comunidades religiosas (Santo Egídio, que assume a maior parte das responsabilidades, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e a Mesa Valdesa).

As organizações religiosas selecionam as pessoas e cobrem todas as despesas – processo de seleção, viagem, acolhida, burocracia – e as autoridades italianas colaboram no âmbito da segurança e devem dar sua aprovação a cada uma das chegadas. Uma vez na Itália, a Santo Egídio se encarrega de dar a primeira acolhida e oferecer soluções de longo prazo, uma tarefa em que participam muitas outras associações da sociedade civil, religiosas e laicas. Assistem a aulas de italiano e também recebem ajuda para o processo burocrático de solicitação de asilo. Tudo isso é financiado pelas associações, sem recursos do Estado.

O método propicia aos refugiados uma acolhida segura e controlada e ajuda na integração de quem foge da guerra e que, do contrário, seria vítima de traficantes de pessoas. Além de impedir a exploração, essa solução visa a evitar as viagens em embarcações precárias pelo Mediterrâneo, onde 5.000 pessoas morreram no ano passado, e proteger aos mais vulneráveis.

“Um ano de corredores humanitários demonstra que, frente ao medo, é necessário responder com sistemas que garantam a segurança e, ao mesmo tempo, a solidariedade. Os corredores humanitários estão se tornando conhecidos na Europa, certamente chegarão à França e tenho a esperança de que logo cheguem também à Espanha”, disse Andrea Ricardi, fundador da Santo Egídio, ao dar as boas-vindas a um grupo de sírios.

Coincidindo com o primeiro aniversário do sistema, mais 48 refugiados sírios desembarcaram no aeroporto de Roma na segunda-feira vindos do Líbano. Sarkis, de origem armênia, sua esposa, Talar, e três filhas – Pamela (13), Pérola (8) e Ivana (2) –, chegaram depois de fugir de Aleppo. Foram recebidos no aeroporto com flores e cartazes com a mensagem “Bem-vindos à Itália”.

MAIS INFORMAÇÕES