Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Quando e onde ver o eclipse solar com anel de fogo

Neste domingo acontecerá o primeiro eclipse anular do sol em 2017, visível apenas no Hemisfério Sul

Eclipse solar 2017
Eclipse solar anular 2017  AFP

Acontece neste domingo um eclipse solar anular que será visível apenas no Hemisfério Sul. Trata-se de um fenômeno astronômico no qual a Lua passa na frente do Sol, impedindo momentaneamente sua visão. Diferencia-se do eclipse solar total porque, no anular, a Lua só tampa o centro do sol, deixando ao seu redor um anel de fogo visível na Terra.

Eclipses desse tipo são relativamente comuns, a cada um ou dois anos, embora nem sempre sejam visíveis no Brasil. Desta vez será possível observá-lo parcialmente em várias cidades e também em países vizinhos, como Chile e Argentina.

Não é recomendável olhar diretamente para o eclipse solar, seja a olho nu ou com óculos de sol, radiografias e telescópios. O ideal para observar o fenômeno é colocar uma folha de papel com um furo diante do sol A imagem do eclipse é então projetada numa segunda folha, onde podemos apreciá-lo com segurança.

A NASA preparou um mapa no qual é possível consultar a hora exata do eclipse em diferentes lugares do mundo. No Brasil, ele poderá ser visto em várias regiões, mas apenas como eclipse solar parcial (não anular). A partir das 09h44 (hora local) poderá ser observado em lugares como Porto Alegre, alcançando seu ponto máximo às 11h11 e terminando por volta de 12h43. Já em Fortaleza ele começará mais tarde, às 11h45, atingirá seu ponto máximo às 12h28 e terminará às 13h10. No resto do país, o eclipse começará entre 10h e 11h, aproximadamente, chegará ao seu máximo entre 11h e 12h e terminará entre 12h e 13h.

Em outros países do sul da América e da África também será possível observar o eclipse, mesmo que de forma parcial, e não em todos as regiões. Por cidades, Santiago (Chile) verá 64% do espetáculo, o Rio do Janeiro enxergará 53%, Lagos (Nigéria), 36%, e a Cidade do Cabo (África do Sul), 52%, segundo o IAA (Associação Astronômica Irlandesa).

MAIS INFORMAÇÕES