Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Alemanha elege Steinmeier, um pragmático ‘antitrump’, como presidente

Social-democrata, antigo ministro das Relações Exteriores e candidato derrotado à chancelaria, chega à chefatura de Estado com o apoio de uma grande coalizão

Frank-Walter Steinmeier, novo presidente federal da Alemanha, vota na Assembleia Federal celebrada no domingo em Berlim.
Frank-Walter Steinmeier, novo presidente federal da Alemanha, vota na Assembleia Federal celebrada no domingo em Berlim. EFE

Ao pesquisar para escrever a biografia de Frank-Walter Steinmeier, Lars Geiges entrevistou antigos colegas de futebol e de apartamento em busca de histórias saborosas. Não encontrou. “Quando jovem não se envolvia com política e não se destacava muito. O especial nele é que não tem nada de especial”, afirma o autor do livro. Steinmeier, um social-democrata pragmático com vasta experiência política e fama de meticuloso nas negociações, foi eleito no domingo com enorme apoio como presidente federal. Em tempos difíceis, a Alemanha opta por um chefe de Estado muito popular e situado no centro do establishment político.

A votação realizada no Bundestag mostra até que ponto Steinmeier é uma figura de consenso além das barreiras partidárias. O ministro das Relações Exteriores durante as duas grandes coalizões de Angela Merkel obteve o sim de 75% dos membros da Assembleia Federal, um órgão formado pelos 630 deputados e um número igual de enviados dos Estados federados. Entres esses, se encontravam figuras como o treinador da seleção de futebol, Joachim Löw, uma conhecida drag queen e a filha de uma vítima do grupo neonazista NSU.

Steinmeier foi apoiado pela maioria dos representantes social-democratas, democratas-cristãos, verdes e liberais. Somente o Die Linke (A Esquerda), os ultraconservadores anti-imigração da AfD e dois pequenos partidos apresentaram candidatos alternativos. A eleição é um golpe para Merkel, que a somente sete meses das eleições se viu obrigada a apoiar um destacado dirigente do partido rival. “Não é maravilhoso que a Alemanha tenha se transformado para muitas pessoas no mundo em uma esperança de salvação?”, disse em seu breve discurso de aceitação. Steinmeier suspenderá sua militância no SPD como sinal da independência que o novo cargo o obriga.

O presidente da Alemanha, com funções principalmente representativas, dispõe especialmente de um instrumento: a palavra. Com seus discursos, o chefe de Estado pode deixar sua marca no debate público. Assim o fizeram seus antecessores como Richard von Weizsäcker, que em 1985 se referiu à derrota do nacional-socialismo como uma “libertação” para a Alemanha; e Christian Wulff, quando disse que o islã era parte do país. O novo presidente não se destaca por uma oratória especialmente brilhante, mas sim por um discurso claro contra o populismo, a favor da responsabilidade alemã na resolução de conflitos internacionais e por uma rede de contatos em todo o mundo criada ao longo de oito anos como chefe da diplomacia.

Steinmeier se mudará ao Palácio de Bellevue em uma conjuntura internacional extremamente complicada. “É o homem certo no momento certo”, afirma o ex-chanceler Gerhard Schröder, seu mentor primeiro na política regional e mais tarde ao nomeá-lo ministro da Chancelaria. Steinmeier mede suas palavras milimetricamente, como mostrou em uma entrevista ao EL PAÍS em que alertou sobre o risco da crise ucraniana causar uma nova guerra fria. A cada pergunta que recebia, demorava alguns segundos para responder escolhendo quais expressões usar para tentar diminuir a tensão.

Não é um político que costuma dar grandes manchetes. Por isso surpreendeu sua dureza com o presidente dos EUA, Donald Trump. Antes da confirmação de sua eleição, definiu o magnata como um “pregador do ódio”; após as eleições disse que o resultado não era o desejado pela maioria dos alemães. E recentemente o atacou por sua defesa da tortura. Em suas críticas a Trump, Steinmeier representa mais uma vez o sentimento majoritário da classe política alemã. Isso ficou claro no domingo, quando, na cerimônia de votação, o presidente do Parlamento alertou contra os perigos do isolacionismo e do “nós primeiro”, em uma clara referência ao presidente dos EUA. Essas palavras receberam uma grande salva de palmas com a maioria dos representantes da Assembleia Federal – incluindo a chanceler Merkel –, de pé. Enquanto isso, os membros da AfD permaneceram sentados e sem aplaudir.

Poucos homens chegaram à presidência da Alemanha com a experiência política de Steinmeier. Como chefe da Chancelaria de Schröder, foi um dos cérebros da Agenda 2010, o pacote de reformas que restringiu o Estado de bem-estar e que marcou os últimos anos do país. Esse é, aos olhos dos setores de esquerda, o pecado original dos social-democratas e de figuras como Steinmeier. “Não é um defensor das pessoas comuns e da justiça social”, acusa Sahra Wagenknecht, do Die Linke. O momento mais difícil de sua carreira foi em 2009, quando, como candidato a chanceler, conduziu o SPD ao pior resultado de sua história moderna. Nesse mandato, sua popularidade aumentou entre as pessoas que apreciam seus esforços para diminuir as tensões na Ucrânia enquanto tenta construir ligações com a Rússia de Putin.

“Nos grandes temas dos últimos anos – crise do euro, refugiados, terrorismo – não existem grandes diferenças entre Steinmeier e Merkel. Essa política centrista defendida pelos grandes partidos deu suporte aos movimentos populistas, que se apresentam como a única alternativa”, conclui Geiges, o biógrafo do novo presidente.

MAIS INFORMAÇÕES