Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
TRIBUNA

O verão derrete a lua de mel dos cariocas com o Uber

Alta temporada provoca aumento de tarifas do aplicativo enquanto competidor espanhol ganha terreno

Em novembrou, houve mais um protesto de taxistas cariocas nas ruas do Rio. AP

Acabou a lua de mel dos cariocas com o Uber. A chegada do mês de dezembro, prelúdio do verão, da alta temporada e das chuvas tropicais, disparou o preço dos táxis que passaram a aplicar, como todos os anos, a bandeira dois, mas também os do aplicativo norte-americano, de retumbante sucesso até agora, nas ruas do Rio de Janeiro.

O aumento das tarifas não só gerou uma enxurrada de críticas por parte de seus clientes como também colocou à prova a capacidade do Uber em fidelizar usuários sem os preços competitivos que o tornaram popular. As redes sociais, que já não perdoavam um número cada vez maior de motoristas que desconhecem os trajetos básicos da cidade, estão em polvorosa ecoando há um mês as reclamações dos usuários.

Entre as especulações para explicar por que as corridas passaram a custar o dobro (ou mais) a qualquer hora do dia, circulou a teoria de que os motoristas do Uber conspiravam em conjunto desligando seus celulares ao mesmo tempo para forçar uma queda na oferta e assim conseguir aumentar os preços. A empresa atribui a suposta estratégia a rumores e sustenta que é impossível que os motoristas consigam manipular o algoritmo do aplicativo para estabelecer suas tarifas dinâmicas, baseadas na oferta e na demanda do serviço.

Enquanto os motoristas de táxi, sempre em pé de guerra com os concorrentes, comemoram a indignação de seus ex-clientes com o aplicativo, um novo concorrente abre caminho a passos grandes. A Cabify, empresa espanhola que oferece o mesmo serviço que o Uber com veículos executivos, está tirando proveito da situação.

Os espanhóis, presentes também no Chile, México e Peru, chegaram a quatro cidades do Brasil neste ano e usaram, como fez o Uber no início, uma estratégia agressiva para atrair usuários e motoristas. Os passageiros têm vários descontos (pelo fato de morar num determinado bairro, por trazer novos clientes, por inserir um código...) e preços ainda mais baixos que os originais da concorrência em veículos de luxo.

Os motoristas desfrutam de bônus generosos para incentivá-los a trabalhar para a empresa, o que está atraindo um bom número de motoristas do Uber, que se dizem exaustos frente ao grande número de corridas que precisam fazer para chegar ao fim do mês. “Não somos um complemento do salário, mas a principal fonte de renda deles. Achamos que não deve ser algo esporádico, mas uma renda que possa sustentar uma economia familiar”, defendeu numa recente entrevista para este jornal o fundador e CEO da Cabify, Juan de Antonio.

Atrair motoristas também é fundamental para a Cabify aumentar a demanda, porque seu ponto fraco é o tempo de espera, que pode ser maior do que 15 minutos, uma eternidade em tempos de Uber e taxistas ociosos.

Os aplicativos não revelam nenhum dado que possa servir como pista para os concorrentes, mas a Cabify confirma o aumento de novas solicitações, tanto de motoristas quanto de clientes, no mês de dezembro no Rio e nas outras cidades. Nos últimos meses, diz o diretor-geral no Brasil, Daniel Velazco-Bedoya, o número de passageiros cresceu entre 80% e 90% por mês.

O Uber sustenta que os preços voltarão ao normal. A empresa justifica a aplicação de uma taxa dinâmica – dependendo dos bairros e do horário em que o carro é solicitado – com algo tão simples como a necessidade de equilibrar a oferta e a demanda. Aumentando o preço – que o passageiro sabe de antemão – muitos interessados desistem e boa parte dos motoristas será direcionada para áreas com mais clientes.

Mas o desafio do Uber é ainda maior. Competir com os taxistas cariocas, que arrastam uma reputação de serviço de má qualidade, é mais fácil do que lidar com um concorrente que em maio já fazia 80% de suas receitas na América Latina e que quer uma parte do bolo no Brasil.

Enquanto isso, a Prefeitura do Rio de Janeiro está empenhada em proibir um e outro aplicativo na base de leis municipais que a Justiça, por enquanto favorável à entrada de novas tecnologias, suspende.

MAIS INFORMAÇÕES