Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Grupo de farmacêuticos se mobiliza contra o “engodo” da homeopatia

Profissionais reivindicam que autoridades não a considerem como medicamento

Preparados homeopáticos.
Preparados homeopáticos.

Um grupo de farmacêuticos espanhóis resolveu dizer basta. A homeopatia é um dos temas mais polêmicos do setor: a maioria das farmácias aceita vender esses preparos mesmo considerando que o seu efeito não vai muito além do placebo. Até hoje, apenas alguns rebelados tinham se pronunciado, negando-se a comercializar esses produtos. Nos últimos dias, resolveram se juntar, como se fosse a aldeia dos gauleses resistindo à invasão da homeopatia, para exigir que as autoridades deixem de avalizar essa pseudoterapia como medicamento.

Demandam "que a homeopatía não seja endossada por nenhuma organización científica, governamental, universitária nem farmacéutica"

O grupo, que se mobilizou pelas redes sociais com o nome de Farmaciencia, divulgou neste domingo (Dia Internacional do Farmacêutico) uma carta aberta em que cobra das autoridades “que interfiram e defendam que a homeopatia não seja avalizada por nenhuma instituição científica, governamental, acadêmica ou profissional farmacêutica”. A carta é dirigida ao Ministério da Saúde, ao presidente do Conselho Geral de Escolas Oficiais de Farmacêuticos, reitores das faculdades de Farmácia, o presidente da Academia Nacional de Farmácia e os presidentes das sociedades científicas farmacêuticas.

“As razões que nos levam a fazer essa solicitação são de ordem científica, técnica, ética e profissional”, afirmam os autores da carta. E acrescentam: “Muitas pessoas acreditam hoje em dia que a homeopatia é uma terapia válida, e seus produtos são chamados de remédios sem que haja qualquer aval científico que demonstre isso, sendo permitida a comercialização de produtos com indicação terapêutica que descumprem toda a legislação e as normas de saúde às quais estão submetidos os remédios verdadeiros”.

Pedem que não seja considerado medicamento "porque a homeopatia não é ciência nem curou a ninguém de nada em mais de 200 anos"

O texto afirma que a homeopatia tem adquirido uma imagem científica graças às autoridades, que classificam seus produtos como medicamento apesar de eles não serem realmente indicados para nada, e às organizações que a incluem em seus guias de clínicas. Mas também às faculdades que lhe abrem espaço em seus centros e programas de estudos, “ estragando a imagem da universidade e a profissão, ao incluir a homeopatia ao lado dos demais tratamentos científicos, sem nenhuma evidência que a respalde”. “Porque a homeopatia não é uma ciência nem nunca curou ninguém de nada em mais de 200 anos”, enfatizam.

Por fim, esses farmacêuticos fazem um apelo aos seus próprios colegas de profissão para que não permitam que esse “engodo” esteja presente em laboratórios ou serviços de farmácia, “onde se lhe outorga um amparo científico indevido”. “Isso tudo sem falar no risco que correm os pacientes ao substituir ou abandonar terapias que já demonstraram a sua eficácia”. Ouvida pela reportagem, uma representante do grupo afirma que a intenção é “fazer barulho” para estimular o espírito crítico dentro de um setor profissional em que existe muita divisão sobre o tema. “A iniciativa tem tido uma boa receptividade entre os profissionais preocupados com a saúde, mas não entre as pessoas que a veem como um ataque aos seus negócios, pois, embora não sirva para nada, a homeopatia dá uma boa margem de lucro”, diz o grupo Farmaciencia.

MAIS INFORMAÇÕES