Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
Renata Aquino | Professores contra O Escola Sem Partido

“Eles querem retirar a diversidade da escola”

Para a integrante do movimento que critica o Escola Sem Partido, o grupo de Miguel Nagib quer manter fora da escola o que contraria a moral cristã

Renata Aquino, do Professores contra o Escola Sem Partido.
Renata Aquino, do Professores contra o Escola Sem Partido.

O movimento Professores contra o Escola Sem Partido começou com um grupo de estudos de graduandos em história na Universidade Federal Fluminense (UFF). A atividade fazia parte da aula de pesquisas e práticas de história e o professor, Fernando Penna, trouxe para a discussão a proposta do movimento criado pelo advogado Miguel Nagib. O grupo passou, então, a se debruçar sobre o Escola Sem Partido há um ano e criou uma página no Facebook e um site, onde monitora os projetos de Lei sobre o tema apresentados pelos Estados. Também passou a dar palestras em universidades sobre o assunto, chegando até a ser hostilizado por apoiadores do projeto de Nagib.

Renata Aquino, uma das integrantes do grupo, falou com o EL PAÍS.

Pergunta. O Escola Sem Partido não é muito específico sobre o que seria proibido falar em sala de aula. Dizem apenas que são neutros e não vale nem a “doutrinação marxista” nem a de “cunho religioso”. Como o que eles propõem pode interferir no trabalho do professor?

Resposta. Eles são vagos de maneira proposital. Por isso, desde o início, a gente começou a pesquisar como eles agem nas redes sociais, que é onde eles são mais explícitos. Eles entendem que a escola está dominada por uma ideologia esquerdista e que falta o estudo de autores conservadores, por exemplo, e que os professores ao invés de ensinarem os conteúdos estão doutrinando os alunos para que eles se tornem todos esquerdistas ou gays. Eles sugerem para os pais que um professor doutrinador é uma pessoa que se desvia frequentemente da matéria para falar das notícias dos jornais. Mas a gente entende que para educar, ensinar história, a gente precisa falar da realidade, do presente, para trazer os alunos para a sala de aula.

Eles falam de neutralidade política e religiosa. Mas, digamos, quando acontece um caso de racismo na escola, ou de intolerância religiosa, a gente não pode se manifestar contra aquilo porque se tiver alunos cristãos na sala isso irá contra a educação que eles recebem em casa. Falar que o casamento de pessoas do mesmo sexo ou que ser uma pessoa transgênero é normal é, para eles, impor uma moralidade que vai contra a moral cristã que os alunos recebem em casa.

Em resumo, eles acham que a escola está querendo impor ao aluno uma visão de mundo e violar aquilo que os alunos aprendem no espaço privado, nas suas casas. Mas eu entendo essa proposta deles como um avanço da esfera privada sob a esfera pública. Mas a gente não pode pensar uma democracia dando mais importância à esfera privada do que à esfera pública. Eles não querem que apareça família homoafetiva na escola, que apareça transexual... A escola tem que dar um jeito de ter educação, de ter ensino, sem citar toda essa diversidade que existe na nossa sociedade. Mas a escola não existe separada da sociedade.

P. Como vocês veem a análise de que os educadores tentam impor uma “ideologia de gênero”?

R. Desde a aprovação do Plano Nacional de Educação, em que se retirou a questão de gênero, eles estão tentando tornar essa ausência em uma proibição. Existe uma série de iniciativas para proibir que as questões de gênero e sexualidade apareçam na escola e nos livros didáticos. É uma tentativa bem clara de censura.

P. Por que a questão de gênero precisa estar na escola?

R. A sociedade brasileira é muito diversa. A gente sabe que homossexuais, travestis, transgêneros, sofrem uma série de violências simbólicas e físicas porque são entendidos como anormais. Textos de pessoas do Escola Sem Partido falam claramente que eles acham errado que apareçam famílias homoafetivas nos livros didáticos porque isso é impor uma moralidade. E a gente entende que essas coisas precisam aparecer na escola porque a escola é o espaço onde os alunos vão ter contato com aquilo que eles não conhecem. É na escola que eles aprendem a não ter preconceito e a entender que essas pessoas são tão cidadãs quanto eles. Diversas pesquisas mostram que a escola é o principal lugar de reprodução de desigualdade e de preconceito na sociedade. Quando se trata de gênero, a retórica violenta  do Escola Sem Partido é muito evidente.

P. Como avaliam os projetos de Lei inspirados no do movimento que estão sendo apresentados ao redor do país?

R. O Escola Sem Partido sempre parte da ideia de que o Ministério da Educação ou os órgãos de educação estão dominados por ideólogos e é por isso que eles estão partindo para os projetos de Lei e para a via judicial, incentivando que os pais façam notificações extrajudiciais contra professores. Já há projetos em dez estados e no Distrito Federal, além de vários municípios que a gente já perdeu a conta, porque é mais difícil de rastrear. O movimento está se espalhando, deixando de ser um movimento com a cara do Miguel Nagib e está se tornando uma ideia. Tem muito deputado que compra a pauta, o projeto, tanto por acreditar no que ele diz quanto para querer aparecer para seu eleitorado como o representante do cidadão de bem, como o defensor da família e da educação.

MAIS INFORMAÇÕES