Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Incêndio no Canadá pode atingir área duas vezes maior neste sábado

Fogo afeta 100.000 hectares e obriga a evacuação dos 80.000 habitantes de Fort McMurray

Wandering River (Alberta)
Bombeiro luta contra o fogo em Fort McMurray. Ver galeria de fotos
Bombeiro luta contra o fogo em Fort McMurray. EFE

Autoridades canadenses temem que o incêndio surgido no domingo passado em torno da cidade petroleira de Fort McMurray, que obrigou à evacuação de seus 80.000 habitantes, dobre de extensão nas próximas horas. O fogo já atinge área de mais de 100.000 hectares, coberta basicamente por florestas, e é alimentado pelo vento e por uma onda de calor, mas as rajadas sopram numa direção que afasta as chamas de áreas habitadas.

O incêndio, o maior entre os 40 registrados na província de Alberta (Oeste do Canadá), ameaça os campos de petróleo ao Sul da cidade, uma das mais ricas do país. Pelo menos 10 poços diminuíram a produção devido à evacuação e a outras medidas de emergência que dificultaram o escoamento do petróleo.

Bairros inteiros de Fort McMurray foram destruídos pelo fogo. A maioria das pessoas retiradas saiu sem saber o que aconteceu com suas casas e quase sem levar nada; algumas tiveram que fugir sem seus animais de estimação. Numa entrevista coletiva, a presidenta de Alberta, Rachel Notley, disse que os danos na cidade eram grandes. “A cidade de Fort McMurray não é segura, e não o será por um período de tempo significativo”, afirmou.

Chad Morrison, funcionário da unidade de incêndios florestais, disse em Edmonton que o incêndio provavelmente vai se duplicar na noite deste sábado. O grau das perdas ainda não foi calculado, mas as autoridades estimam que cerca de 1.600 imóveis tenham sido destruídos. Um analista avalia as perdas em mais de R$ 24 bilhões.

Incêndio no Canadá pode atingir área duas vezes maior neste sábado

No começo da semana a maioria dos evacuados foi para o Sul por rodovia, enfrentando congestionamentos. Outros, que de início procuraram refúgio no Norte da cidade, foram obrigados a se deslocar de novo devido ao avanço das chamas.

“Fez lembrar uma zona de guerra”, declarou Marisa Heath, depois de ficar 36 horas em seu carro na estrada, com seu marido, dois cachorros, um gato e sete gatinhos. “Assustador. Só via os alicerces de cimento das casas.” Enquanto helicópteros sobrevoavam a região, a polícia instalava postos de abastecimento de gasolina provisórios, para evitar que os carros ficassem parados por falta de combustível.

Cerca de um terço da produção de petróleo de Canadá foi suspensa, segundo estimativas da Reuters. Ao Sul de Fort McMurray, dois campos petrolíferos ameaçados pelas chamas foram evacuados.

O fogo não provocou vítimas diretas, mas uma pessoa morreu num acidente de trânsito. Desde sexta-feira mais de 1.200 bombeiros trabalham na região, auxiliados por mais de 100 helicópteros e mais de 20 caminhões-tanque e aviões que lançam água e produtos químicos que retardam a propagação das chamas. Só que a magnitude e a intensidade do fogo desafiam os esforços para conter o incêndio.

Parte dos evacuados, cerca de 25.000, precisaram se refugiar ao Norte de Fort McMurray, nos acampamentos para os trabalhadores do setor petrolífero, que é a principal atividade econômica da região. As autoridades começaram na sexta-feira a evacuação dessas pessoas em direção ao Sul da província de Alberta, fora da região do incêndio e dotada de mais infraestrutura para fornecer serviços aos afetados.

O ministro da Segurança do Canadá, Ralph Goodale, declarou neste sábado que cerca de 7.500 pessoas, em comboios de carros escoltados pela Polícia Montada, conseguiram atravessar na sexta-feira Fort McMurray, agora uma cidade fantasma, na qual só permanecem perto de 200 bombeiros para proteger sua infraestrutura essencial. A Polícia Montada considera que será possível evacuar neste sábado mais 7.500 pessoas para o Sul de Fort McMurray.

MAIS INFORMAÇÕES