Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Incógnitas de uma noite de fúria contra as mulheres

Os eventos de Colônia que agora são julgados deixam algumas certezas inquietantes

A estação de trem de Colônia (Alemanha)
A estação de trem de Colônia (Alemanha)

Não se passaram nem dois meses desde que os crimes foram cometidos, e os acusados das agressões sexuais e roubos em massa cometidos na noite da véspera de Ano Novo nos arredores da Catedral de Colônia (Alemanha) começaram a ser julgados. O julgamento começou ontem e vai durar por vários meses. Comprovar que a justiça pode ser tão rápida e diligente, como neste caso demonstrou ser a alemã, produz uma grande inveja e torna mais insuportável, em comparação, a lentidão com que a justiça espanhola opera. Feita esta consideração, a investigação judicial sobre o incidente deixa algumas certezas tão inquietantes quanto as incógnitas que ainda faltam resolver.

A primeira pergunta: como é possível que uma multidão de mais de mil homens exaltados, a grande maioria estrangeiros, tenha agredido sexualmente centenas de mulheres e cometeram muitos roubos sem que ninguém conseguisse impedi-los? Somente uma desastrosa ação policial, que já produziu algumas demissões, explica que os arredores da Catedral de Colônia pudesse se tornar um lugar sem lei por algumas horas. A polícia local não soube enfrentar os incidentes e nem pediu ou aceitou os reforços a tempo. Nos dias seguintes, foram apresentadas 1.092 denúncias, 471 deles por agressões sexuais e o resto por roubo e assalto.

O incidente foi rapidamente utilizado pela extrema direita, assumindo que os agressores eram refugiados e culpou Merkel por sua generosa política de asilo. Até agora foram identificados 78 supostos agressores, e sim, a grande maioria deles são imigrantes de origem islâmica, recém-chegados e solicitantes de asilo. Mas apenas sete são da Síria ou do Iraque. Nada menos que 57 são do Marrocos e da Argélia, dois países onde não se pode dizer que existam condições para uma fuga em massa. Não há dados da identidade do resto dos agressores, mas sabemos que alguns vieram da Bélgica e do norte da França.

A grande incógnita que permanece é se os ataques foram o resultado de contágio de agressividade e selvageria ou foram o resultado de uma ordem. No primeiro caso, um consumo elevado de álcool criou um clima de impunidade em que homens sozinhos e com problemas de relação com as mulheres em geral e, particularmente, com as ocidentais, deram vazão a suas fantasias de predominância masculina e poder sexual. Não pode ser descartado, mas não é fácil nem para a psiquiatria explicar um fenômeno tão grande. Não há indícios da outra hipótese. A promotoria continua monitorando 1,6 milhão de conversas telefônicas para descobrir. O fato de que tenham ocorrido simultaneamente ataques em grupo contra mulheres em pelo menos 12 outras cidades alemãs, torna verossímil algum tipo de convocatória. Em qualquer caso, o choque que causou o evento pode muito bem servir à causa do islamismo radical, sempre interessado em incentivar a xenofobia e, assim, aumentar o fosso entre os imigrantes islâmicos e sociedade que os recebe.