Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
KURT STRAIF | Coordenador do estudo da OMS

“O público decidirá em quem confiar, na indústria ou em nós da OMS”

Coordenador defende a força do estudo que relaciona a carne processada com o câncer

"(São) os melhores cientistas da área, sem conflitos de interesses e laços com empresas”

Kurt Straif, coordinador del estudio de la OMS que relaciona la carne procesada con el cáncer
Kurt Straif, coordenador do estudo da OMS que relaciona a carne processada com o câncer.

Kurt Straif, responsável pelo estudo da OMS sobre a carne processada e vermelha, defende a forma como o trabalho foi feito e como os resultados foram divulgados. Ao contrário do que disse a indústria, esse estudo “tem bom senso”, explica por telefone da sede da Agência Internacional para a pesquisa do Câncer (IARC) em Lyon (França). “Nossa força está no fato dos melhores cientistas da área, sem conflitos de interesses e laços com empresas e outros grupos, terem analisado todos os testes científicos e chegado a melhor conclusão possível”, diz Straif. Por outro lado, “a indústria sempre tem interesses ao comentar sobre esses assuntos porque seu objetivo é que as vendas de carne vermelha e processada não deixem de crescer”, fala o médico e epidemiologista. “Deixo ao público a decisão em quem confiar”, acrescenta.

Desde segunda-feira, o grupo 1 da IARC coloca a carne processada ao lado do tabaco, o plutônio e o álcool, entre mais de uma centena de substâncias cancerígenas. Essa, diz Straif, “é uma boa maneira de classificar”, defende. “Fomos acusados de alarmistas, mas foram as partes interessadas e alguns veículos de comunicação que causaram a confusão”, opina. A IARC “nunca” disse que as diferentes substâncias do grupo 1, como o tabaco e a carne processada, são igualmente tóxicas, mas que “ambas estão na mesma categoria”. “É uma questão de nível de testes” sobre se uma substância, não importa qual, causa ou não câncer, argumenta Straif. “Informamos claramente quais são os testes que permitem dizer que esse tipo de carne causa câncer e esclarecemos até mesmo a quantidade de câncer que elas causam”. A agência calcula que por volta de 34.000 mortes por câncer de cólon em todo o mundo se devem à carne processada. Sobre o risco relativo de cada pessoa, ele aumenta 18% a cada 50 gramas diários consumidos, e aqui é o importante, se esse consumo for contínuo, em um longo período, “de anos”, admite o especialista da OMS, sem especificar quantos.

Não encontramos um nível de consumo livre de riscos

“Não encontramos um nível de consumo livre de riscos”, diz. “Esse estudo”, prossegue, “por um lado, contribui com informação às agências de saúde pública nacionais e outros órgãos responsáveis para que medidas sejam tomadas e recomendações de consumo sejam feitas”. “Por outro, diz às pessoas: ‘Se quer reduzir seu risco de ter câncer mostramos aqui uma forma de fazê-lo”, explica.

Comunicamos claramente quais são os testes

Por que tal estudo agora? Desde a década de setenta, a IARC tem um grupo de assessoria internacional que decide quais substâncias devem ser analisadas. “Esse processo está aberto a nominações públicas”, comenta. Para aumentar a transparência, diz Straif, as reuniões são abertas a observadores, por exemplo, da indústria, ONGs e agência de segurança alimentar, como, por exemplo, da União Europeia e de qualquer outro país membro da UE.

MAIS INFORMAÇÕES