Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Starbucks testa entrega em domicílio

Seattle e Nova York serão as primeiras cidades a estrear o serviço durante o segundo semestre

Howard Schultz, conselheiro do Starbucks.
Howard Schultz, conselheiro do Starbucks. AFP

Howard Schultz é um mestre do marketing. A última iniciativa do diretor-presidente do Starbucks é oferecer aos clientes da rede de cafés um serviço de entregas em domicílio. O serviço será lançado ao longo deste ano, possivelmente em outubro, em fase de testes nas cidades de Seattle e Nova York. Ao mesmo tempo, a companhia reforçará seu aplicativo para pedidos e pagamentos com dispositivos móveis.

Os inquilinos do icônico Empire State Building serão os primeiros que poderão utilizar esse novo serviço na cidade dos arranha-céus. A rede tem uma unidade logo abaixo, diante da Quinta Avenida, que está aberta das 5:30 até as 23h. É um ponto de partida lógico, devido ao volume de clientes potenciais nesse edifício no centro de Manhattan. Faz tempo que o Starbucks está tentando oferecer esse tipo de serviço, como as redes McDonald’s, Burger King e Panera. Esse, portanto, é o primeiro passo concreto. Dependendo do resultado, o serviço será ampliado para outras regiões de Nova York. Seattle, sede da empresa e que funciona como laboratório, terá um sistema diferente. Nesse caso, utilizará a plataforma Postmates.

Em constante transformação

É o passo mais recente dado por Shultz na transformação constante implementada pelo executivo, desde que voltou a assumir o comando da empresa, e com a qual busca ser mais do que uma simples rede que serve cafés, para se apresentar mais como um bar onde também se pode comprar sanduíches e cervejas. O diretor-presidente do Starbucks também foi um dos primeiros que apostaram nas novas tecnologias.

A empresa não forneceu mais detalhes do serviço. Apenas informou que o cliente terá que pagar um valor extra para receber o produto em casa. Tampouco revelou datas concretas quanto aos prazos para lançar o serviço, que começará nas duas cidades-piloto no segundo semestre de 2015. Seus diretores são os primeiros a admitir que não sabem como o serviço vai se desenvolver, nem como será a aceitação entre os clientes. De fato, o teste vai funcionar mais como uma fase de aprendizagem.

Nova York, num primeiro momento, servirá para entender como o modelo de entregas pode funcionar em núcleos urbanos com maior densidade populacional, enquanto Seattle se encaixaria num modelo com população mais dispersa. Também é preciso verificar como esse serviço afetará o tráfego nos locais onde estará disponível.

O Starbucks anunciou ainda, como parte da assembleia geral de acionistas, uma operação de desdobramento de ações, a primeira realizada desde outubro de 2005. Os investidores receberão duas ações para cada papel que têm em mãos na carteira. O desdobramento será realizado em 8 de abril, no fechamento do mercado, para as ações compradas antes de 30 de março.

MAIS INFORMAÇÕES